Programas das Disciplinas

IA-544 – Agricultura, Desenvolvimento e Sustentabilidade
IC-264 – Álgebra Libear
IA-517 – Análise Regional 
IB106 – Biogeografia
IA-533 – Biogeografia Aplicada
IA532 – Biogeografia Básica
AA-322 – Campo Aplicado
AA-321 – Campo Instrumental
AA-325 – Campo Temático
IT127 – Cartografia I 
IA-296 – Cartografia Temática e Digital 
IA-502 – Climatologia Aplicada
IA-298 – Climatologia Geográfica
IE-302 – Didática Geral
IA-508 – Elementos de Mineralogia e Petrologia 
IE-607 – Ensino de Geografia
IE-608 – Ensino de Geografia
IA-507 – Estágio em Pesquisa Geográfica I
IA-515 – Estágio em Pesquisa Geográfica II
AB-322 – Estágio Supervisionado em Geografia I
AB-323 – Estágio Supervisionado em Geografia II
AB-324 – Estágio Supervisionado em Geografia III
AB-325 – Estágio Supervisionado em Geografia III
AA-323 – Estágio Supervisionado em Pesquisa 1
AA-324 – Estágio Supervisionado em Pesquisa II
IC280 – Estatística Básica
IE383 – Filosofia da Educação 
IC151 – Física Básica I
IA-504 – Formação sócio-espacial brasileira
IA-299 – Geografia Agrária
IA-510 – Geografia Cultural 
IA-543 – Geografia da América Latina
IA-536 – Geografia da Indústria 
IA-536 – Geografia da Indústria 
IA-536 – Geografia da indústria
IA-297 – Geografia da População
IA-520 – Geografia do estado do Rio de Janeiro 
IA-520 – Geografia do estado do Rio de Janeiro
IA-516 – Geografia do Mundo Contemporâneo 
IA-518-Geo – Geografia dos Blocos Econômicos 
IA-542 – Geografia dos Movimentos Sociais 
IA530 – Geografia e Educação Ambiental
IA-511 – Geografia Econômica
IA-509 – Geografia Física do Brasil 
IA-509 – Geografia Física do Brasil
IA-537 – Geografia Humana do Brasil
IA-537 – Geografia Humana do Brasil
IA-523 – Geografia Planejamento e Gestão do Território
IA-550 – Geografia Regional do Brasil
IA-503 – Geografia Urbana 
IA-541 – Geografia Urbana do Brasil
IA-531 – Geohistória 
IA-291 – Geologia Geral
IA-519 – Geomorfologia Costeira
IA-534 – Geomorfologia do Brasil aplicada ao ensino
IA-505 – Geomorfologia Estrutural 
IA-513 – Geomorfologia Fluvial
IA-292 – Geomorfologia Geral
IA521 – GeoPolítica 
IA-521 – Geopolítica 
IA-514 – Geoprocessamento e Análise Ambiental 
IA-293 – Geoprocessamento e Sistemas de Informação Geográficos
IA-293 – Geoprocessamento e Sistemas de Informação Geográficos 
IH-923 – História do Pensamento Geográfico
IH-923 – História do Pensamento Geográfico 
IH462 – História Econômica
IA-289 – Introdução à Geociências
IH413 – Introdução à Sociologia
IH-902 – Libras
IA-527 – Licenciamento Ambiental 
IC251 – Matemática I
AB-326 – Monografia em Ensino de Geografia 
AB-326 – Monografia em ensino de Geografia
AA-326 – Monografia Em Geografia
AA-327 – Núcleo de Ensino e Pesquisa geográfica I
AA-328 – Núcleo de Ensino e Pesquisa geográfica II
AA-329 – Núcleo de Ensino e Pesquisa geográfica III
AA-321 – Núcleo de Ensino e Pesquisa geográfica IV
IA-325 – Pedologia Aplicada a Geografia
IA-525 – Planejamento de Ambientes Rurais e Urbanos 
IA-525 – Planejamento de Ambientes Rurais e Urbanos 
IE-384 – Política e Organização da Educação
IA-591 – Processos Geomorfológicos
IE211 – PSIC. dA Educação: Aspectos Cognitivos Comportamentais
IE210 – Psicologia da Educação Aspectos Afetivos 
IC310 – Química Geral
IA-524 – Recursos Hídricos
AA-013 – Seminário de Educação e Sociedade
IA-266 – Sensoriamento Remoto 
IA-295 – Sociedade e Natureza
IE328 – Sociologia da Educação
IA-522 – Tabalho de Campo Temático
IA-290 – Teoria e Método Científico em Geografia
IA-540 – Território e História no Brasil 
IA-539 – Tópicos Especiais em Geografia Humana 
IA-506 – Trabalho de Campo Aplicado
IA-294 – Trabalho de Campo Instrumental 
IA-294 – Trabalho de Campo Instrumental 
IA-535 – Tutoria de Monografia em Ensino de Geografia 
IA-535 – Tutoria de Monografia em ensino de Geografia
IA-528 – Tutória de Monografia em Geografia 
IA-528 – Tutoria em Monografia de Geografia

Código: IA-544
Nome: Agricultura, Desenvolvimento e Sustentabilidade
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IC-264
Nome: Álgebra Libear
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-517
Nome: Análise Regional
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Instrumentalizar os alunos de suporte teórico-metodológico para sejam capazes de compreender e discutir o conceito de Região, bem como, da organização do espaço e da regionalização.
Objetivos: A região entre os conceitos básicos da Geografia.Regionalização e escala regional.
região e regionalização através do pensamento geográfico e seu resgate contemporâneo: Da região natural aos ecossistemas. Da região lablachiana à perspectiva humanística.Da região funcional e como classe de área ao planejamento regional. ? Abordagens contemporâneas da questão
regional: Região e divisão territorial do trabalho. Regionalismo e identidade regional. ?
Propostas de regionalização do mundo: Divisão internacional do trabalho;Blocos do poder; Redes da globalização.Programa: 1. A constituição do saber científico e geográfico
2. A reflexão geográfica e os conceitos de espaço e região
2.1. A historicidade do conceito de região
2.1.1. Região na geografia tradicional
2.1.3. A análise regional no período pós-guerras
2.1.3.1. regiões homogêneas e funcionais ou polarizadas
2.1.3.2. regionalização como processo de divisão do espaço
2.1.4. A influência marxista: A região como processo de divisão do espaço
2.1.5. A influência humanista: a região como espaço vivido
2.1.6. Região e regionalismo
3. Escala e tempo como problemas metodológicos
4. Perspectivas contemporâneas dos estudos regionais
5. Conceito de região e sua discussãoBibliografia Básica: CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (ORGs.). Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.
CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo César da Costa; CORREA, Roberto Lobato. Explorações geográficas. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 1997.
CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (ORGs.). Questões atuais da reorganização do território. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005
LAVINAS, Lena; CARLEIAL, Liana Maria da Frota; NABUCO, Maria Regina (ORGs.) Reestruturação do espaço urbano e regional no Brasil São Paulo: HUCITEC, 1993.
LENCIONI, Sandra. Região e Geografia. São Paulo: Edusp, 1999.

Bibliografia Complementar: ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia: Ciência da Sociedade. Uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Ed. Atlas, 1987.
______. Espaço, Polarização e desenvolvimento: uma introdução à economia regional. São Paulo: Atlas, 1987.
BENKO, Georges; LIPIETZ, Alain. As regiões ganhadoras: Distritos e redes ? os novos paradigmas de geografia econômica. Oeiras: Celta, 1994
CAPEL, Horácio. Filosofia y ciência em la geografia contemporânea. Barcelona: Barcanova, 1983.
GOLDENSTEIN, Léa; SEABRA, Manoel. Divisão Territorial do trabalho e nova regionalização. In: Revista do Departamento de Geografia. São Paulo: Edusp, 1982. p. 21-47.
KAYSER, Bernard. A divisão do espaço geográfico nos países subdesenvolvidos. Orientação. nº. 4 São Paulo: Ed. USP, 1969
MARKUSEN. Ann. Região e Regionalismo: um enfoque marxista. In: Espaço e Debates. Revista de Estudos Regionais e urbanos. Ano 1 nº 2 maio de 1981. Cortez Editora: São Paulo. p. 61 a 99.
MASSEY, Doreen. Regionalismo: alguns problemas atuais. In: Espaço e Debates. Revista de Estudos Regionais e urbanos. Ano 1 nº 4 maio de 1981. Cortez Editora: São Paulo. p. 51 a 83.
MELO, Jayro Gonçalves. (org.) Região, Cidade e Poder. Presidente Prudente: GAsPERR, 1996.
SINGER, Paul. Globalização e desemprego. Diagnóstico e Alternativas. 3ª Ed. São Paulo: Contexto, 1999.
SOJA, Edward. Geografias Pós-Modernas. A reafirmação do espaço na teoria social crítica. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.
THRIFT, Nigel. Visando o âmago da região. In: Geografia Humana: Sociedade, espaço, ciência social. Org.: Derek Gregory. Tradução: Mylan Isack. Revisão Técnica: Pedro Geiger. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1996. p. 215-247.


Código: IB106
Nome: Biogeografia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-533
Nome: Biogeografia Aplicada
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Entender os processos de degradação ambiental de ecossistemas. Compreender os processos envolvidos na estabilidade dos sistemas ambientais físicos. Identificar os agentes de degradação ambiental. Dominar as principais técnicas de recuperação dos sistemas ambientais físicos. Entender a relação entre Biogeografia e Sistemas Ambientais na manutenção da sustentabilidade ambiental.
Objetivos: Conceito de Degradação Ambiental, Impactos Ambientais e Sustentabilidade Ambiental. Estabilidade e Equilíbrio dos Sistemas Ambientais. Agentes de Degradação. Estratégias de Recuperação com Enfoque Holístico. Gestão Ambiental. Gestão Ambiental Urbana e Sustentabilidade Urbana.
Programa: 1- Biogeografia, Impactos Ambientais e Sustentabilidade Ambiental
1.1- Atividade Humana na Superfície da Terra
1.2- Impactos Ambientais
1.3- Sustentabilidade Ambiental
2- Degradação Ambiental dos Ecossistemas
2.1- Processos
2.2- Estabilidade e Equilíbrio dos Sistemas Ambientais
2.3- Agentes de Degradação
3?As Principais Estratégias de Recuperação com Enfoque Holístico dos Sistemas Ambientais Alterados
2.1- Restauração
2.2- Reabilitação
2.3- Revegetação
4- Biogeografia, Sistemas Ambientais e Sustentabilidade Ambiental
4.1- Gestão Ambiental
4.2- Gestão Ambiental UrbanaBibliografia Básica: BROWN, James H. ; LOMOLINO, Mark V. Biogeography. Sunderland:Sinauer Associated Inc., 2006.
__________________________________. Biogeografia. Trad. Iulo F. Afonso. Ribeirão Preto: Funpec, 2006.
BROWN, James et al.Foundations of Biogeography. Chicago:University of Chicago Press, 2004.
FRANCISCO, Francisco C. de. Agricultura e Meio Ambiente: Um Estudo Sobre a Sustentabilidade Ambiental de Sistemas Agrícolas na Região de Ribeirão Preto (SP). Tese de Doutoramento, IGCE/RIO CLARO/UNESP, 1997.
SIMMONS, Ian G. Biogeografía Natural y Cultural. Barcelona: Omega, 1982.
TROPPMAIR, H. Biogeografia e meio Ambiente. Instituto de geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista – Rio Claro, 2002.Bibliografia Complementar: ANDRAE, F.H. Ecologia Florestal. Santa Maria, UFSM, 1988.
BEGON, M. Ecologia: de Indivíduos a Ecossistemas.Porto Alegre: Artmed, 2007.
BECKER, B. et al. Dilemas e Desafios do Desenvolvimento Sustentável.RJ:Ed. Garamond, 2007.
BERTRAND, Georges e BERTRAND, Claude. Uma geografia transversal e de travessias – o meio ambiente através de territórios e das temporalidades, 2007.
CARVALHO, marcos de. O que é natureza. SP:Brasiliense, 1994.
CHRISTOFOLETTI, Antonio et alii. Geografia e Meio Ambiente no Brasil. SP: Hucitec, 1995.
FIBGE ? Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro. IBGE (Série Manuais Técnicos em Geociências 1). 1992.
FRANCO, M.A.R. Planejamento Ambiental para a Cidade Sustentável. SP: AnnaBlume, 2001
GARAY, I. ; DIAS, B.Conservação da Biodiversidade em Ecossistemas Tropicais. RJ:Vozes, 2001.
GARAY, I. ; BECKER, B. Dimensões Humanas da Biodiversidade: O Desafio das Novas Relações Sociedade-Natureza. RJ:vozes, 2006.
GOLLEY, F.B. et al. Ciclagem de Minerais em um Ecossistema de Floresta Tropical Úmida. SP, Edusp, 1978.
GRAY, A. J. et al. Colonization, Sucession and Stability. London:Bristh Ecological Society, 1991.
GRIME, J.P. Plant Strategies and Vegetation Process. New York: Wiley, 1979.
GUERRA, A.J.T. ; CUNHA,S.B. Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. RJ:Bertrand Brasil, 2001.
HUBBELL, S. P. The Unified Neutral Theory of Biodiversity and Biogeography. Monographs in Population Biology, Vol 32, Princeton: Princeton University Press, 2001.
KREBS, C. J. Ecology: The Experimental Analysis of Distribution and Abundance. New York: Collins College Publishers, 1994.
LOMOLINO, Mark V. ; HEANEY, L. Frontiers of Biogeography: New Directions in the Geography of Nature. Massachusetts: Sinauer Associates, 2004.
MAGURRAN, A. Measuring Biological Diversity. Malden: Blackwell, 2004.
MARTINS, Celso . Biogeografia e Ecologia. SP: Nobel., 1995.
NEWTON, A. Forest Ecology and Conservation: A Handbook of Tecniques. Oxford:Oxford University Press, 2007.
ODUM, E. Eccologia. SP:Pioneira, 1963.
PRESS, F. et al. Para Compreender a Terra. Porto Alegre: Bookman, 2006.
PRIMACK, R.B. ; RODRIGUES, E. Biologia da Conservação. Londrina:Editora vida, 2002.
RAUNKIAER, C. Types Biologiques pour la Geographie Botanique. Bull. Acd. Roy. Soc,4, 1905.
SILVA, Carlos Educardo L. Ecologia e Sociedade. SP: Loyola, 1978.
RICKLEFS, R. E. A Economia da Natureza. RJ: Guanabara Koogan, 2003
RIZZINI, C. T. Tratado de Fitogeografia do Brasil. SP: HUCITEC, 1976. Vol 1 e 2, 1976/1979.
ROSA, Antônio V. Agricultura e Meio Ambiente. SP:Atual Editora, 1998.
ROSS, Jurandyr L. Sanches. Geografia do Brasil. Sp:Edusp.1996.
SIMMONS, Ian G. Ecología de los Recursos Naturales. Barcelona: Omega, 1982.
______________ . Changing the face of the Earth. London: Blackwell, 1989.
SPURR, S., BARNES, B.V. Forest Ecology. Florida, Krieger Publishing Companhy, 1992.
TRICART, J. (1977). Ecodinâmica. RJ: IBGE.


Código: IA532
Nome: Biogeografia Básica
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-322
Nome: Campo Aplicado
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-321
Nome: Campo Instrumental
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-325
Nome: Campo Temático
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IT127
Nome: Cartografia I
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-296
Nome: Cartografia Temática e Digital
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Considerações cartográficas. Projeto gráfico. Simplificação, classificação e generalização. Convenções, variáveis visuais. Fenômenos pontuais, lineares e planares: isarítmicas e coropletas. Mapa de síntese. Mapeamento automático: o uso de computadores no apoio ao mapeamento temático. Noções de SIGs e Sensoriamento Remoto. O mapa como um instrumento didático.
Objetivos: Introdução, conceitos e definições. Dados geográficos. Projeto gráfico. Generalização cartográfica. Convenções cartográficas. Elementos gráficos e variáveis visuais. Semiologia gráfica. Mapeamento qualitativo e quantitativo. Gráficos e diagramas. Anamorfoses cartográficas. Softwares de mapeamento temático. Geocodificação; Estruturas de dados cartográficas; Aquisição e Transformação de Dados.
Programa: 1. Conceito de mapas temáticos
2. Mapas qualitativos ou nominais
3. Mapas quantitativos
3.1. Abordagens ordinal, interpolar, relacional
4. Propósitos e limitações dos mapas temáticos
5. Natureza dos fenômenos geográficos
5.1. Tamanho, Forma, Continuidade, Localização
6. Representação cartográfica
6.1. Generalização, Seleção, Simplificação, Classificação, Simbolização
7. Formas de mapeamento
8. Representação de dados pontuais
8.1. Mapas de pontos nominais
8.2. Mapas de pontos (dot maps)
8.3. Mapas de símbolos proporcionais
9. Representação de dados lineares
10. Mapas de fluxo
11. Representação de dados de área
11.1. Mapas coropléticos
11.2. Superfícies estatísticas
11.3. Representação de volumes através de áreas
11.4. Tamanho e forma das unidades territoriais
12. Classificação
12.1. Número de classes
12.2. Determinação dos limites entre as classes
12.2.1. Intervalos iguais
12.2.2. Desvio padrão
12.2.3. Quantís
12.2.4. Quebras naturais
13. Mapas dasimétricos
14. Representação de volumes através de linhas
15. Mapas de isolinhas (ou isarítmicos)
16. Cartogramas
17. Mapas diagramas
18. Estruturação de mapas
18.1. Qualidades: Clareza, legibilidade, ordem, contraste visual, balanço, unidade, harmonia
18.2. Elementos básicos: título, legenda, escala, orientação, fonte de dados, hierarquia visual, simbolismos, aparência geral.Bibliografia Básica: DENT, B. D. Cartography, thematic map design. WCB Publishers, 1996.
DUARTE, P.A. Fundamentos de Cartografia. Ed. da Universidade Federal de Santa Catarina, SC, 2002.
MARTINELLI, M. Curso de Cartografia Temática. Ed. Contexto, SP, 1991.
LOCH, Ruth E. Nogueira. Cartografia. Representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Editora da UFSC, 2006.
OLIVEIRA, C. Curso de Cartografia Moderna. IBGE, RJ, 1988.Bibliografia Complementar: IBGE. Manual de Normas, Especificações e Procedimentos Técnicos para a Carta Internacional do Mundo ao Milionésimo – CIM (1:1.000.000). IBGE, RJ, 1993.
DENT, B.D. Cartography: Thematic Map Design. McGraw-Hill, 1999.
INPE. Introdução à Ciência da Geoinformação, 2001.
CROMLEY, R.G. Digital Cartography. Prentice-Hall, 1992.
SANTOS, M.C.S.R. Manual de Fundamentos Cartográficos e Diretrizes Gerais para Elaboração de Mapas Geológicos, Geomorfológicos e Geotécnicos. Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, SP, 1989.
SILVA, A.B. Sistemas de Informações Geo-referenciadas: Conceitos e Fundamentos. Unicamp, SP, 1999.
RAISZ, E. Principles of Cartography. McGraw-Hill. Nova Iorque, 1962.
ROBINSON, A.H. Sale, R.D. Elements of Cartography. John Wiley Sons. Nova Iorque, 1969.
ROCHA, C.H.B. Geoprocessamento: Tecnologia Transdisciplinar. Ed. D5, MG, 2000.
SANTOS, A.A. (1985) Representações Cartográficas. Ed. da UFPE, PE, 201 p.
TAYLOR, D.R. Fraser. Cybercartography: Theory and Practice. Elsevier, 2006.
OLIVEIRA, C. Dicionário cartográfico. 2a. Ed. Rio de Janeiro, FIBGE, 1983.
RAISZ, Erwin. Cartografia geral. Rio de Janeiro, Científica, 1969.


Código: IA-502
Nome: Climatologia Aplicada
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: 1. Evidenciar a diversidade climática no espaço geográfico através do dinamismo no tempo e os diferentes graus de organização espacial segundo as escalas geográficas. 2. Enfatizar o estudo no quadro brasileiro integrando-o no contexto sul-americano e projetando-o no hemisfério sul.3 – Analisar e avaliar o ambiente sob a ótica da climatologia.
Objetivos: O ambiente físico: radiação solar e processos de transferência de calor. Balanço de energia em sistema específicos: atmosfera, solo, planta, animal e cidade. Fluxos de calor na atmosfera e no solo. Umidade e ambiente: calor latente de evaporação e fluxo de umidade na atmosfera. Relações entre balanço de energia e circulação atmosférica. Plantas e atmosfera: crescimento e desenvolvimento. Animais e a atmosfera: efeitos diretos e indiretos da atmosfera nos animais. Balanço hídrico e zoneamento agrícola. Climas e ambientes biológicos no Brasil. Seres humanos e a atmosfera: conforto ambiental e limites de tolerância.
Programa: 1. O sistema climático: principais elementos e variáveis do tempo e do clima
2. Os balanços radiativo e energético à superfície terrestre.
3. As escalas climáticas.
4. Os climas locais em áreas topograficamente movimentadas.
5. Temperatura e fluxos de calor no solo e na camada de ar próxima ao solo.
6. Evaporação e evapotranspiração.
7. Efeitos da cobertura vegetal no tempo e no clima.
8. Contrastes térmicos entre zona rural e urbana.
9. Os climas urbanos: padrões térmicos e ilha de calor urbano; a poluição; a precipitação; o vento na cidade; o balanço energético no corpo humano e o conforto.
10. A componente climática no planejamento do território.
11. As escalas do clima: zonal, regional, local e microclima. Outras propostas.
12. Cassificações climáticas: estudo crítico dos principais sistemas empírico-quantitativos e genético-explicativos. Estudo das propostas de Koppen, Strahler e outras. Os índices climáticos e sua aplicação.
13. Climatologia Regional: estudo comparativo da América do Sul, África e Austrália.
14. Análises regionais do clima brasileiro.
15. Climas locais. Clima e vida urbana. Clima e vida agrária.Bibliografia Básica: NIMER, E. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro:IBGE, 1979.
STRAHLER, A. N. Geografia Física. Barcelona:Omega, 1975.
MENDONÇA, F. et al. Climatologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.
MONTEIRO, C.A.F. Análise Rítmica em Climatologia: Problemas da Atualidade Climática em São Paulo e Achegas para um Programa de Trabalho. Climatologia nº 1,SP: IGEOG/USP, 1971.
VIANELLO, R.L. e ALVES, A. R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1991.Bibliografia Complementar: AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. Trad. Maria Juraci Zani dos Santos; rev Suely Bastos. – São Paulo : DIFEL, 1986. 332p. ilust.
BARRY, R. G.; CHORLEY, R. J. Atmosfera, Tiempo y Clima. Barcelona: Omega S.A.1980.
BIGARELLA, João J. – Considerações Climatológicas. In: A Serra do Mar e a porção oriental do Estado do Paraná. Curitiba:Secretaria do Planejamento do Estado do Paraná e Associação de Defesa e Educação Ambiental (ADEA). 1978. p. 37-56.
BIROT, Pierre. Tratado de Geografía Fisica General. Barcelona: VIcens-Vives. 1962.
BLAIR; FITE. Meteorologia. São Paulo: Ao Livro Técnico. 1970.
CRITCHFIELD, Howard J. General Climatology. New Jersey: Printice Hall, Inc. IBGE. 1979.
DONN, W. L. – Meteorología. Barcelona:Reverté, 1978. 609p. ilust.
ETIENNE, P.; GODARD, A. Climatologie. Paris: Armand Colin. 1970.
FREYESLEBEN, L. M. C. – Aspectos essenciais do ritmo climático de Florianópolis. Florianópolis:Inédito, 1979.
GALVÃO, M. V. – Regiões bioclimáticas do Brasil. In: Revista Brasileira de Geografia, IBGE: Rio de Janeiro, v.29, n. 1, jan/mar 1967.
LOMBARDO, M. A. Ilha de calor nas metrópoles – o exemplo de São Paulo. HUCITEC: São Paulo, 1985.
MILLER, Albert. Climatologia. Barcelona: Editorial Labor S.A.1979.
MMA-DR-105_3 – FORÇA AÉREA DOS ESTADOS UNIDOS/ALIANÇA PARA O PROGRESSO. Meteorologia para Aeronavegantes. Rio de Janeiro:Ministério da Aeronáutica, 1970.
MOLION, L. C. – ENOS e o clima no Brasil (INPE). In: Ciência Hoje. Rio de Janeiro, SBPC, 10(58):24-29, 1989.
_____ – A Amazônia e o clima da Terra. In: Brito, Sérgio de S. (ed). Desafio Amazônico: o futuro da civilização dos trópicos. Brasília:Editora UNB, CNPq, 1990. p. 108-134.
MONTEIRO, C. A. de Figueiredo. O clima da Região Sul. In: Geografia Regional do Brasil – Região Sul (Tomo 1, cap. III), Série Biblioteca Brasileira. Rio de Janeiro:IBGE, 1962. p. 117-169.
_____. Da necessidade de um caráter genético à classificação climática: algumas considerações metodológicas a propósito do estudo do Brasil Meridional. Revista Geográfica, v. 31, n. 57, p. 29-44, 1962.
_____. A frente polar atlântica e as chuvas de inverno na fachada sul-oriental do Brasil; contribuição metodológica à análise rítmica dos tipos de tempo no Brasil. Série Teses e Monografias n° 1, São Paulo,:Instituto de Geografia da USP, 1969.
_____. Teoria e clima urbano. Série Teses e Monografias n° 25, São Paulo:Instituto de Geografia da USP, 1976.
_____. Por um suporte teórico e prático para estimular estudos geográficos do clima urbano no Brasil. Geosul, Revista do Departamento de Geociências da UFSC, Florianópolis: Editora da UFSC, n. 9, p. 7-19, 1990.
_____. Clima e excepcionalismos: conjecturas sobre o desempenho da atmosfera como fenômeno geográfico. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1991. 233p.
MONTEIRO, M. A. – Avaliação das condições atmosféricas de Florianópolis para controle da Qualidade do ar. Monografia. Florianópolis:Inédito, 1992.
MOTA, Fernando S. Meteorologia Agrícola. São Paulo: Livraria Nobel S.A.1977.
OMETTO, J. C. – Bioclimatologia Vegetal, São Paulo:Ed. Agronômica Ceres, 1981.
ORGANIZACIÓN METEOROLÓGICA MUNDIAL (WMO). El clima, la urbanizacion y el hombre. Programa mundial sobre el clima. (s/d)
O tempo e o clima, Projeto Brasileiro para o Ensino de Geografia, 1980.
PAREZA Jr., Eduardo. A ilha de calor da cidade: fatores e atributos. Boletim Geográfico. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, v. 34, n. 249, p. 51-57, abr.-jun. 1976.
._____ LE SANN, J. G. – O diagrama ombrotérmico e a classificação climática de Bagnouls e Gaussen. Revista Geografia e Ensino. Belo Horizonte, v.2, n. 7, p. 39-70, jun. 1985.
SCHIMIDT, Roberto. Você e a Meteorologia: o que a TV ainda não disse: acertos, erros e dicas. Porto Alegre: Sagra: DC Luzatto. 1994. 223p. ilust.
SEZERINO, M. L. MONTEIRO, C. A. de F. O campo térmico na cidade de Florianópolis: primeiros experimentos. Geosul, Revista do Departamento de Geociências da UFSC, Florianópolis: Editora da UFSC, n. 9, p. 20-59, , 1990.
SUREDA, Vicente; GIL, Jesus A. San. A Atmosfera e a Previsão do tempo. Rio de Janeiro: Salvat Editora do Brasil S.A.1979.
TARIFA, J. R. A análise topo e microclimática e o trabalho de campo; o caso de São José dos Campos. Série Climatologia, Instituto de Geografia da USP, São Paulo, n. 11, p. 1-25, 1981.
TUBELIS, Antonio NASCIMENTO, Fernando J. L. Do – Meteorologia descritiva – fundamentos e aplicações brasileiras. São Paulo : Nobel, 1988. p. 219-257.
VIERS, Georges. Climatología: Elementos de Geografía. Barcelona: Oikos-tau, S.A. 1975. 309p. ilust.


Código: IA-298
Nome: Climatologia Geográfica
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: 1. Esclarecer e fornecer os meios básicos de utilização dos subsídios meteorológicos à análise geográfica da atmosfera.2. Situar a posição epistemológica e a natureza metodológica do estudo do clima no domínio da Geografia.3. Fornecer métodos e técnicas adequadas ao estudo da realidade climática em sua gênese específica e integração aos outros domínios geográficos.
Objetivos: Introdução à climatologia; Conceituações básicas; A circulação geral de ar na atmosfera; Massas de ar; Clima e classificações climatológicas; Os principais tipos climáticos; Brasil: classificação climática Classificações climáticas. Climas regionais. Fenômenos tipicos e e étricos da atmosfera. Distribuição espacial dos c imas da Terra e do Brasil . Dinâmica das atividades antr picas em sua re ação com o c ima. A dinâmica atmosférica da América do Sul . O clima e o homem. Climatologia básica: elementos e fatores do clima; fenômenos meteorológicos adversos à atividade agrícola: temperaturas extremas, geadas, granizo e vento; veranicos; evaporação e evapotranspiração; balanço hídrico mensal e diário e o uso da água na agricultura; índices bioclimáticos: graus-dia; estações e instrumentos meteorológicos utilizáveis nas atividades agrícolas; estações meteorológicas para fins especiais
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IE-302
Nome: Didática Geral
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-508
Nome: Elementos de Mineralogia e Petrologia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Exercer correlações nas ciências da terra.
Objetivos: Minerais e Rochas: Conceitos, composição, classificação em ambiente de formação. Constituição química e mineralógica da litosfera, cristais e minerais, influencia do tipo de rocha na forma e desenvolvimento das feições geomorfológicas. Processos ígneos. Rochas magmáticas, metamórficas e sedimentares. Petrologia Sedimentar, Petrologia Ígnea, Petrologia Metamórfica.
Programa: 1 – Introdução: correlações entre a Geologia e outras ciências da Terra.
2 – Cristais e Minerais: Fases condensadas da matéria. Conceitos de ordem/desordem, isotropia/anisotropia e de homogeneidade. Propriedades da matéria cristalina. Noção de cristal e de mineral; sua evolução histórica. Considerações gerais sobre simetria e de rede cristalina. Breve referência a defeitos cristalinos. Modos simples e múltiplos de redes tridimensionais. Características dos sistemas cristalográficos. Aspectos de Cristalografia Morfológica. Prática.
3 ? Mineralogia: Os minerais como produtos elementares dos processos geológicos. Mineralogia descritiva; principais propriedades físicas. Bases gerais para uma classificação dos minerais. Significado das associações minerais. Prática.
4 – Petrologia Sedimentar: Definições, composições, estruturas e texturas. Prática.
5 – Petrologia Ígnea: Definições, composições, estruturas e texturas. Prática.
6 – Petrologia Metamórfica: Definições, composições, estruturas e texturas. Prática.
7 – Fundamentos de Geologia Estrutural e Deriva dos Continentes: Deformações. Diferenciação entre as estruturas primárias e secundárias. As relações entre a natureza das rochas e as deformações.
8 – O Ciclo das Rochas: a dinâmica atuante sobre as rochas, decorrente da atuação de fenômenos físico-químicos. O papel da ação antrópica. Prática.Bibliografia Básica: BLOOM, A. 1970. Superfície da Terra. São Paulo, Edgard Blucher.
ERNST, E.G. 1969. Minerais e Rochas. São Paulo, Edgard Blucher.
LEINZ, V., AMARAL, S.E. 2001. Geologia Geral. São Paulo, Nacional.
PRESS, F., SILVER, R., GROTZINGER, J., THOMAS, J.H. 2006. Para Entender a Terra. Porto Alegre, Editora Artmed.
TEIXEIRA, Wilson, TOLEDO, M. C. de, FAIRCHILD, T. R., TAIOLI, F. 2009. Decifrando a Terra. São Paulo, IBEP.Bibliografia Complementar: –


Código: IE-607
Nome: Ensino de Geografia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IE-608
Nome: Ensino de Geografia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-507
Nome: Estágio em Pesquisa Geográfica I
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-515
Nome: Estágio em Pesquisa Geográfica II
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AB-322
Nome: Estágio Supervisionado em Geografia I
Créditos (Carga Horária): 7Cr (100H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AB-323
Nome: Estágio Supervisionado em Geografia II
Créditos (Carga Horária): 7Cr (100H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AB-324
Nome: Estágio Supervisionado em Geografia III
Créditos (Carga Horária): 7Cr (100H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AB-325
Nome: Estágio Supervisionado em Geografia III
Créditos (Carga Horária): 7Cr (100H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-323
Nome: Estágio Supervisionado em Pesquisa 1
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-324
Nome: Estágio Supervisionado em Pesquisa II
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IC280
Nome: Estatística Básica
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Introduzir os conceitos básicos de estatística dando maior ênfase as aplicações nas diversas ciências.
Objetivos: Organização, resumo e apresentação de dados estatísticos. Noções de probabilidade. Distribuições descontínuas de probabilidades. Amostragem. Distribuições amostrais. Estimação. Testes de significância.
Programa: I. Introdução
1. O que é Estatística.
2. Uso de modelos em Estatística.
II. Organização, resumo e apresentação de dados estatísticos
1. Introdução.
2. Dados estatísticos.
3. Notação de somatório.
4. Análise de pequenos conjuntos de dados.
5. Medidas de tendência central: média, moda, mediana.
6. Medidas de dispersão: amplitude, desvio médio absoluto, variância, desvio padrão, coeficiente de variação.
7. Propriedades das medidas de posição e de dispersão.
8. Análise de grandes conjuntos de dados: organização de uma tabela de freqüências; histograma, polígono de freqüências e ogivas; cálculos das medidas de tendência central e de dispersão para dados agrupados.
III. Probabilidade
1. Introdução.
2. Probabilidade de um evento.
3. Espaço amostral e eventos dependentes e independentes.
4. Definição de probabilidade.
5. União e interseção de eventos ? cálculo das probabilidades.
6. Teorema de Bayes.
IV. Distribuições descontínuas de probabilidades
1. Variáveis aleatórias.
2. Esperança matemática.
3. Distribuições de probabilidades.
4. Distribuições descontínuas: distribuição Binomial, distribuição de Poisson, a distribuição de Poisson como aproximação da distribuição Binomial.
V. Distribuições contínuas de probabilidades
1. Introdução.
2. Distribuição Normal: características; a distribuição Normal como modelo; a distribuição Normal padronizada; uso da Normal padronizada.
3. Distribuição ?t?, de Student.
4. Distribuição de Qui-quadrado.
5. Distribuição ?F?, de Snedecor.
VI. Amostragem
1. Introdução.
2. Amostra e população.
3. Amostragem aleatória simples: obtenção de uma amostra aleatória; a tabela de números aleatórios.
VII. Distribuições amostrais
1. Distribuição amostral de médias.
2. Distribuição amostral de diferenças entre médias.
VIII. Estimação
1. Introdução.
2. Estimativas por pontos e por intervalos.
3. Estimativas da média e da diferença entre médias.
4. Erro de estimação.
5. Determinação do tamanho da amostra.
6. Intervalos de confiança para a média e para a diferença entre médias.
IX. Testes de significância
1. Introdução.
2. Hipóteses nula e alternativa.
3. Região crítica e nível de significância.
4. Estatística do teste a ser empregado.
5. Decisão: aceitar ou rejeitar.
6. Qual o teste a ser utilizado: testes de média e de diferença entre duas médias, com o desvio padrão da população conhecido; teste de média e de diferença entre duas médias, com o desvio padrão da população desconhecido; teste de Qui-quadrado.
Bibliografia Básica: HOEL, P. G. Estatística Elementar. Atlas.
SPIEGEL, M. R. Estatística. McGraw-Hill.
GOMES, PIMENTEL F. Iniciação à Estatística. Livraria Nobel.
MENDENHALL, WILLIAM. Probabilidade e Estatística. Campus.
Bibliografia Complementar: –


Código: IE383
Nome: Filosofia da Educação
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IC151
Nome: Física Básica I
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): IC-251
Ementa: HOFFMANN, LAURENCE D. Cálculo: Um Curso Moderno e suas Aplicações. Rio de janeiro: Livros Técnicos e Científicos.
Objetivos: Cinemática, Dinâmica, Estática, Calorimetria e Termodinâmica.
Programa: I . Cinemática em uma Dimensão;
II. Cinemática: Movimento em duas Dimensões;
III. Dinâmica da Partícula;
IV. Trabalho e Energia;
V. Movimento de Rotação;
VI. Estática;
VII. Calorimetria;
VIII. Termodinâmica.Bibliografia Básica: TIPLER, P. A. FÍSICA. VOL.1. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Dois, 1984.
HALLIDAY, D.; RESNICK, R. FÍSICA. VOLS. 1 E 2. Rio de Janeiro: Ed. LTC, 1996.
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-504
Nome: Formação sócio-espacial brasileira
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Caracterizar as diversas políticas territoriais no Brasil dentro de sua evolução histórica, dando ênfase aos principais agentes que influenciaram a sua formação sócio-espacial.
Objetivos: Posição do Brasil no contexto Geopolítico e Econômico Mundial. O papel do Estado na conformação geográfica do Brasil: do Estado Cartorial ao Planejamento. A apropriação do território: das sesmarias ao Estatuto da Terra. Padrões de organização social do espaço brasileiro: do padrão Colonial o semi-colonial ou da colônia à República Velha. Padrões de organização social do espaço brasileiro. A crise do atual modelo sócio – espacial e a questão do Estado. Unidade e diversidade da formação sócio-espacial brasileiro.
Programa: 1 ? O Brasil no contexto geopolítico mundial
2 ? O Brasil no contexto econômico mundial
3 ? O papel do Estado na conformação geográfica do Brasil
– Estado cartorial ao planejamento
4- A Apropriação do território brasileiro: descobrimento e colônia portuguesa
– Sesmarias ao Estatuto da terra
5 ? Padrões de organização social do espaço brasileiro
– Brasil colonial e semi-colonial
– Brasil Império
– Brasil República ( Republica Velha ao dias atuais)
6 ? A crise do atual modelo sócio espacial e a questão do Estado
7 ? Unidade e diversidade da formação sócio- espacial brasileira.Bibliografia Básica: ANDRADE, Manoel Correia de. Imperialismo e fragmentação do espaço. São Paulo: Contexto 1988.
BENKO, Georges B. Economia, espaço e globalização: na aurora do século XXI. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: HUCITEC, 1999 [1995].
DIAS, Leila Christina, SILVEIRA, Rogério Leandro de Lima (orgs.). Redes, Sociedades e Territórios. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2005.
FORBES, D. K. Uma visão crítica da geografia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.
HAESBAERT, Rogério. (org.) Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. Niterói: EdUFF, 1998.Bibliografia Complementar: ARBEX Jr., José. Nacionalismo. O desafio à nova ordem pós-socialismo. São Paulo: Scipione, 1997.
ARRIGHI, Giovanni. O Longo Século XX. São Paulo, Contraponto, 1996.
HOBSBAWM, Eric J.. Era dos extremos. São Paulo: Cia das Letras, 1995.
KENNEDY, Paul. Preparando para o Século XXI. . Editora Campus, Rio de Janeiro, 1993.
MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo . O mapa e a trama. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2002.
MOREIRA, Ruy. Desregulação e remonte no espaço geográfico globalizado. Ciência Geográfica, ano IV, nº 10. Bauru: AGB, maio-ago/1998.
SANTOS, Boaventura de Souza (org). A globalização e as ciências sociais. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2002
SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: editora da USP, 2005 [1979].
_________. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4ª ed. São Paulo: Editora da USP, 2004 [1996].
SILVA, José Borzacchiello da (org.). Panorama da Geografia Brasileira II. São Paulo: Annablume, 2006.


Código: IA-299
Nome: Geografia Agrária
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Dar ao aluno conhecimentos relacionados com os conceitos e instrumentos básicos para: [1] análise da atividade agrária em uma dimensão espacial; [2] compreensão da organização do espaço agrário , sua dinâmica, relações de trabalho e movimentos sociais; [3] utilização e manuseio dos dados do censo agropecuário; [4] Noções de biotecnologias e segurança alimentar; [5] compreensão das inovações tecnológicas e sua espacialização.
Objetivos: Geografia Agrária e Escolas do Pensamento Geográfico. Características e funções do espaço rural. A propriedade da terra e as relações de produção nos diversos modos de produção. A renda fundiária. A formação da estrutura agrária brasileira. As relações sociais de produção no meio rural brasileiro. A pequena produção. Os movimentos sociais no campo. A reforma agrária na América Latina. As transformações produtivas e tecnológicas hoje em curso. Potencialidades e Limitações Naturais à agricultura. Noções de Desenvolvimento Rural Sustentável
Programa: 1 ? Identidade e Natureza da Geografia Agrária
? Geografia Agrária e Escolas do Pensamento Geográfico
? Geografia Agrária e Ciências Afins
? Características e funções do espaço rural
? A multifuncionalidade do espaço rural contemporâneo
2 ? Importância da Agricultura
? Produção Agrícola e Emprego
? Demanda, trocas inter-setoriais e localização de áreas de produção
? Agricultura no Brasil (breve histórico):
? Herança do sistema colonial
? Culturas de subsistência, exportação e outras culturas
3 ? Modernização Agrícola e Complexo Agro-Industrial (CAI)
? Agricultura Científica: Raízes da Modernização
? Integração Agricultura-Indústria
? Revolução Verde: Difusão da Modernização
? Integração agricultura-indústria e complexo agro-industrial
? Da modernização agrícola ao agronegócio
4 – Agricultura e Ambiente
? Potencialidades e Limitações Naturais à agricultura
? Relações entre Sistemas Agrícolas-Recursos Naturais
5 ? Relações Sociais na Agricultura
? Produção agrícola e segurança alimentar
? Condição do produtor, relações de trabalho e agricultura familiar
? Reforma agrária e mudança na estrutura agrária
? Movimentos sociais rurais
6 ? O Espaço Rural Contemporâneo
? Urbanização do Campo
? Industrialização do Campo
? Relações Rural-Urbanas
? Agricultura urbana
7 ? Noções de Desenvolvimento Rural Sustentável
? Agricultura Sustentável, Tecnologia e Desenvolvimento Rural
? Noções de Agroecologia, Agricultura orgânica. Agricultura Alternativa e Biotecnologias
? Inovações do agronegócio e indicação geográficaBibliografia Básica: CASTRO, I., MIRANDA, M. e EGLER, C. (Orgs.) ? Redescobrindo o Brasil 500 anos depois. Parte III Agricultura e Desenvolvimento (211 ? 276), 1999.
FAUCHER, D. 1953(1948). Geografía Agraria. Barcelona: Ed. Omega.
FERNANDES, B.M. 1996. MST: Formação e Territorialização. São Paulo: Hucitec.
GRAZIANO NETO, F. 1986. A Questão Agrária e Ecologia. São Paulo: Brasiliense.
MARTINS, J. S. ? A reforma agrária e os limites da democracia na Nova República. SP/Hucitec,1986.Bibliografia Complementar: ALENTEJANO, P. R. ? Pluriatividade: uma noção válida para a análise da realidade agrária brasileira? In: Agricultura familiar realidades e perspectivas (TEDESCO, J. C. ? Org.). EDIUPF/RS. Cap. 4:149-175, 1999.
ALTIERI, M. A. 1989. Agroecologia: As Bases Científicas da Agricultura Alternativa. Rio de Janeiro: PTA/FASE. Tradução: Patrícia Vaz.
ALMEIDA, J. P. Agroecologia: nova ciência, alternativa técnico-produtiva ou movimento social? IN: RUSCHEINSKY, A. (Org.) Sustentabilidade: uma paixão em movimento. Porto Alegre: Sulina, 2004.
ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba:Agropecuária, 2002
AQUINO, A. M. e ASSIS, R (Orgs.) Agroecologia princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável.Brasília DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2005 Capítulos: 1, 2 e 4.
BARROS, R. C. Agricultura e sustentabilidade ambiental: a qualidade da água dos rios formadores da bacia do rio Grande ? Nova Friburgo/RJ. Rio de Janeiro: UFRJ/IGEO. Tese de Doutorado, 2004. (Capítulo 1)
BICALHO, A. M. e HOEFLE, S. W. (Eds) A dimensão regional e os desafios à sustentabilidade rural. Rio de Janeiro:UFRJ/UGI/Capes, 2003.
BICALHO, A. M. de S. M. et alli. 1998. Sustentabilidade na interface Rural-Urbana ? Questões Centrais à Pesquisa. Revista da Pós Graduação em Geografia. Rio de Janeiro, UFRJ/PPGG, Vol. 2, p.106-119.
BRADENBURGO, A. e FERREIRA, A.D.D.Agricultura e políticas socioambientais rurais. In: RUSCHEINSKY, A. (Org.) Sustentabilidade: uma paixão em movimento. Porto Alegre: Sulina, 2004.
CASTILLO, R. A. Sustentabilidade, desenvolvimento e globalização. In: OLIVEIRA, M. P. ; COELHO, M. C. e CORRÊA, A. M. (Orgs.) O Brasil, a América Latina e o mundo: espacialidades contemporâneas. Rio de Janeiro:Lamparina/Faperj/Ampege, 2008.
CREA/RJ ? O perigo dos alimentos transgênicos. Revista CREA 21: 9-16, 1999.
DINIZ, J.A.F. 1984. Geografia da Agricultura. São Paulo: DIFEL.
EHLERS, E. M. ? O que se entende por agricultura sustentável? In: Ciência ambiental 1º mestrados (VEIGA, J. E. Org.) FAPESP, 1998.
FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION (FAO). 2003/04. El estado de la Agricultura y la Alimentación: La Biotecnología Agrícola Roma: www.fao.org/docrep.
FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION (FAO). 2008. El estado de la inseguridad alimentar en el mundo. Roma: www.fao.org/docrep.
FERREIRA, D.A.O. 1998. O Mundo Rural sob o Ponto de Vista Geográfico. Tese de doutorado, UNESP.
———-. 2001. Geografia Agrária no Brasil: Conceituação e Periodização. Terra Livre 16: 39-70.
FONSECA, M.G.D. e V. PROCHINIK (eds.). 1987. Desempenho e Evolução dos Complexos Agroindustriais no Brasil. Rio de Janeiro: IEI/UFRJ.
GALVÃO, M. C. C. ? As múltiplas facetas do espaço agrário contemporâneo no Brasil. In: A geografia e as transformações globais (Bicalho, A . M. e Diniz, M.S. Orgs.) 101 ? 116, 1995.
GEORGE, P. 1982 (1963). Geografia Rural. São Paulo: DIFEL.
GERARDI, L. H. de O. ? O ensino da Geografia Agrária no Brasil. XIII ENGA, Vol 1 ? Mesa Redonda, Diamantina/MG- UFMG, 1996.
GOODMAN, D., B. SORJ e J. WILKINSON. 1987. Das Lavouras à Biotecnologia. São Paulo:
GUIMARÃES, A.P. 1978. A Crise Agrária. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
GÓMES, J.R.M. Desenvolvimento em (des)construção: provocações e questões sobre desenvolvimento e Geografia. In: Geografia Agrária: teoria e poder FERNANDES, B; MARQUES, M. I. e SUZUKI, J.C. (Orgs.) São Paulo: Expressão Popular, 2007.
GOHN, M.G. ? Sem terras, ONGS e cidadania. Ed. Cortez/Sp, 1997.
GRAZIANO, F. ? Qual reforma agrária? São Paulo, 1996.
GRZYZOWSKI, C. ? Caminhos e descaminhos dos movimentos sociais no campo. Petrópolis/RJ, Vozes, 1987.
HESPANHOL, A. N. Agricultura, desenvolvimento e sustentabilidade. IN: MARAFON, G. J.;RUA, J. e RIBEIRO, M. A. Abordagens teórico-metodológicas em geografia Agrária. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2007.
JESUS, E.L. 1981. História e filosofia da agricultura alternativa. Proposta 27: 34-40.
LARANJEIRA, R. 1983. Colonização e Reforma Agrária no Brasil. São Paulo: Civilização Brasileira.
MARTINS, J. S ? Expropriação e violência a questão política no campo. SP/Hucitec, 1991.
MEDEIROS, L.S. ? História dos movimentos sociais no campo. FASE, 1989.
MENDRAS, H. Sociedades camponesas. Ed. Zahar, 1978.
NAVARRO, Z. (Org.) ? Política , protesto e cidadania no campo. Ed. Universidade/UFRGS, 1996.
LOUREIRO, M. R. G. ? Terra, família e capital. Petrópolis/RJ, Vozes, 1987.
MALUF, R.S. e WILKINSON, J. (orgs.). 1999. Reestruturação do Sistema Agro-alimentar. RJ: Mauad.
MARTINE, G. 1990. Faces e fases da modernização agrícola brasileira. Planejamento e Políticas Públicas 1(1): 3-43.
MCT-BRASIL. 2002. Diretrizes Estratégicas do Fundo Setorial de Agronegócio. Rio de Janeiro: FINEP. www.finep.gov.br/fundos_setoriais.
MIRANDA, M. M. P. ? Censos agropecuários uma contribuição para sua solução. X ENGA , Florianópolis/UFSC, 1988.
MOLINERO, F. 1990. Los Espacios Rurales. Barcelona: Editorial Ariel.
PAULA, I.C. 2005. Sonho realizado ou princípio das desilusões? Organização espacial e qualidade de vida no assentamento rural de Zumbi dos Palmares / RJ. Rio de Janeiro: PPGG-UFRJ, dissertação de mestrado.
PINAZZA, L.A e ALIMANDRO,R. (org.) .1999. Reestruturação no Agribusiness Brasileiro. Rio de Janeiro: FGV.
TEDESCO, J.C. (org.). 1998. Agricultura Familiar: Realidades e Perspectivas. Passo Fundo: UPF.
RAMOS, P. e REYDON, B.P. (orgs.). 1995. Agropecuária e Agroindústria no Brasil. Campinas: Abra.
ROMEIRO, A . ? Meio ambiente e dinâmica de inovações na agricultura. SP/FAPESP, 1998. Cap. X: 247-258.
RUA, J. ? Uma contribuição para o ensino de geografia agrária. XIII ENGA, Vol 1 ? Mesa Redonda, Diamantina/MG- UFMG, 1996.
SCHIMIDT, B., MARINHO, D. e ROSA, S.C. (orgs.). 1998. Os Assentamentos de Reforma Agrária no Brasil. Brasília: UnB.
SILVA, J. G. da ? A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas, SP:UNICAMp.IE, 1996. (P 1 ? 40) e (p 107 ? 154).
STÉTILE, J. P. A questão agrária hoje. Porto Alegra, UFRGS, 1994.
STËDILE,J. P. ? O modelo de desenvolvimento das elites, as conseqüências para a agricultura e os desafios para as forças populares (p 263-277). In: Globalização, neoliberalismo, privatizações: quem decide este jogo ? Carrion, R. e Vizentini, P. (Orgs.). Editora da Universidade – Porto Alegre/UFRGS, 1998.
SCHIMIDT, B. MARINHO, D. e ROSA, S. C. (Orgs.) ? Os assentamentos de reforma agrária no Brasil. Brasília/DF/UNB, 1998.
SORJ, B. ? Estado e classes sociais na agricultura brasileira. RJ:Guanabara, 1986.
SPAROVEK, G. 2003. A Qualidade dos Assentamentos da Reforma Agrária Brasileira São Paulo: Páginas e Letras.
SZMRECSÁNYI, T. ? Pequena história da agricultura no Brasil. Editora Contexto, 1998.
SORJ, B. 1986. Estado e Classes Sociais na Agricultura Brasileira. Rio de Janeiro: Guanabara.
TUBALDINI, M. A . dos S. – Uma contribuição para o debate: o ensino de geografia agrária. XIII ENGA, Vol 1 ? Mesa Redonda, Diamantina/MG- UFMG, 1996.
VEIGA, J.E. ? Desenvolvimento agrícola: uma visão histórica. Editora Hucitec/USP, 1991.
VILELA, E. S. e SANTOS, L. S. (Orgs.) ? Agricultura e meio ambiente. Viçosa/UFV, 1992.
WAIBEL, – Capítulos de geografia tropical e do Brasil. IBGE/RJ (cap. 1 e 4 ), 1979.


Código: IA-510
Nome: Geografia Cultural
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: 1. Compreender a especificidade do Estado do Rio de Janeiro no território brasileiro. 2. Analisar as várias configurações do espaço fluminense, especialmente a partir da intensificação das relações capitalistas no Estado e no País.
Objetivos: Organização e divisão espacial mundial; Globalização e Fragmentação; Geografia e Cultura; Geografia cultural e espaço; Dimensão social e espacial da cultura no Brasil; As dimensões culturais no espaço; paisagem geográfica, Cultura: identidade e Território, cultura e Lugar;Religião e espaço; contatos culturais, religião e território.
Programa: 1. Organização e divisão do espaço mundial
-Divisões e concepções de regionalização do espaço mundial.
-Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: velhas e novas abordagens.
– Relações Centro-Periferia e a Nova Divisão Internacional do Trabalho.
– A sociedade em rede
– A compressão espaço-tempo
2. Globalização, regionalização e fragmentação do mundo contemporâneo.
– O processo de globalização e a integração econômica mundial.
– Regionalização e formação de blocos econômicos regionais.
– Fragmentação e conflitos no mundo pós-Guerra Fria.
-Territorialização e desterritorialização no mundo contemporâneo.
– O meio técnico-científico informacional
– Mundo contemporâneo, técnica e fluxos
-As redes e a transformação no mercado de trabalho
– O fenômeno do nacionalismo: o papel da etnicidade e da religião na apropriação do espaço
– A pós-modernidade e o espaço
– A questão da pós-modernidade no espaço religioso e étnico.
3. Geografia e Cultura
– Conceito cultura
– Geografia e cultura
– conceituações de cultura e culturas
– tecnologia como parte da cultura
– sistemas tecnológicos humanos e práticas culturais relacionadas e regiões particulares do espaço
– Gênese e dinâmica da geografia Cultural: tradição a geografia Cultural
– Diversidade cultural
– Diversidade cultural brasileira
– A renovação dos estudos culturais.
– A geografia cultural e os conceitos.
– As novas abordagens da geografia cultural.
– Geografia Cultural e Espaço: as dimensões culturais no espaço; paisagem geográfica, Cultura: identidade e Território, cultura e Lugar;
-Religião e espaço; contatos culturais, religião e território.Bibliografia Básica: CLAVAL, Paul. A geografia cultural, 2. edição. Florianópolis: Ed UFSC, 2001.
CASTELLS, Manuel. A questão urbana. São Paulo: Paz e Terra, 2000.
CHESNAIS, François. A mundialização do capital. Tradução de Silvana Finzi Foá. São Paulo: Xamã, 1996. [1994]
COSGROVE, Denis E. Em direção a uma geografia cultura radical: problemas da teoria. In: CORRÊA, Roberto L.; ROSENDHAL, Zeny (Orgs.). Introdução à geografia cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. p. 103 ? 134.
ROSENDAHL, Zeny CORRÊA, Roberto Lobato. Matrizes da geografia cultural. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.Bibliografia Complementar: BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999Hobsbawm, CARLOS, A. F. Espaço e tempo na metrópole. São Paulo: Contexto, 2001.
CLAVAL, Paul. Reflexões sobre a Geografia cultural no Brasil. Revista Espaço e Cultura, n. 8 , 1999.
HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos. São Paulo: Cia das Letras, 1995.
KENNEDY, Paul. Preparando para o Século XXI. . Editora Campus, Rio de Janeiro, 1993.
YAZIGI, E. O mundo das calçadas ? por uma política democrática do espaço público. São Paulo: Humanitas, 2000.
MELLO, João Baptista Ferreira – O Rio de Janeiro dos compostiores da música popular brasileira – 1928/1991 – uma introdução à geografia humanística. Rio de Janeiro: UFRJ, 1991. Dissertação de Mestrado em Geografia.
MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo . O mapa e a trama. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2002.
SANTOS, Boaventura de Souza (org). A globalização e as ciências sociais. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2002
SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: editora da USP, 2005 [1979].


Código: IA-543
Nome: Geografia da América Latina
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-536
Nome: Geografia da Indústria
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Entender a organização do espaço industrial na sociedade moderna, os traços principais da industrialização clássica, as posteriores ?revoluções tecnológicas? e as profundas e recentes transformações na ?sociedade industrial?. Destacar o impacto e a alterações na paisagem provocadas pelas atividades industriais. Compreender mais detalhadamente as características da industrialização brasileira.
Objetivos: A Primeira e Segunda Revolução Industrial: transição para o capitalismo, o nascimento da fábrica, a etapa monopolista do capitalismo e o surgimento das grandes corporações, gênese e difusão do taylorismo e do fordismo. A crise do fordismo e a emergência de um novo paradigma de organização industrial. A divisão internacional do trabalho. Sistemas industriais e organização do espaço: processos de concentração e desconcentração (nível mundial, nacional, regional e local). Política industrial e planejamento espacial: Estado, indústria e meio ambiente. . Organização das atividades produtivas industriais e os respectivos impactos territoriais. Fontes de energia no mundo e no Brasil. Organização econômica e a distribuição industrial no território. Mudanças ocorridas na produção contemporânea do espaço brasileiro. . Organização das atividades produtivas industriais e os respectivos impactos territoriais. Fontes de energia no mundo e no Brasil. Organização econômica e a distribuição industrial no território. Mudanças ocorridas na produção contemporânea do espaço brasileiro.
Programa: 1. Elementos da atividade industrial
1.1. Indústria de base, indústrias de bens de capital, indústria de bens de consumo.
1.2. A estrutura da economia industrial: produção de meios de produção e produção de bens de consumo ? a reprodução do capital.
1.3. A industrialização e seus efeitos sobre a economia. Arranque econômico e efeito multiplicador.
1.4. Teorias da localização industrial ? espaço e indústria.
2. Etapas da industrialização
2.1. Primeira Revolução Industrial ? ferro, carvão e vapor.
2.2. Segunda Revolução Industrial ? aço, petróleo e eletricidade.
2.3. Terceira Revolução Industrial ? química, energia nuclear, biotecnologia e microeletrônica.
2.4. Inovação tecnológica e ciclos da economia industrial: Kontradieff e Schumpeter.
2.5. Industrialização clássica e industrialização retardatária. Industrialização de base e substituição de importações.
2.6. Regimes de acumulação e modos de regulação: as lógicas espaciais do taylorismo-fordismo e do pós-fordismo. A reestruturação econômica e a flexibilização contemporânea.
2.7. Debates sobre a ?sociedade pós-industrial?. Inovação tecnológica e desemprego.
3. O espaço industrial
3.1. As grandes regiões industriais do mundo: Nordeste e Sudeste dos EUA, Japão, o Norte da Inglaterra, Vale do Reno, Indústrias na Rússia, Tigres Asiáticos, ZEE?s da China.
3.2. Espaço da produção industrial no Brasil: a industrialização tradicional em São Paulo, o ABC paulista e as novas fronteiras industriais do Brasil contemporâneo.
3.3. Espaços da produção industrial contemporânea: pesquisa e tecnologia, tecnopólos e centros de informação.
4. Indústria e meio-ambiente
4.1. A transformação do espaço pela atividade industrial: a paisagem industrial. A ?síntese da natureza? pela indústria.
4.2. As diversas formas de poluição provocadas pela indústria. Problemas locais e poluição global.Bibliografia Básica: BELL, Daniel. O advento da sociedade pós-industrial ? uma tentativa de previsão social. São Paulo: Cultrix, 1977.
CARLOS, Ana Fani A. Espaço e Indústria. São Paulo: Contexto, 1988.
CASTRO, Edna. et alli (org.). Industrialização e Grandes Projetos ? Desorganização e Reorganização do Espaço. Belém: Ed UFPA, 1995.
HARVEY, David. Condição Pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993.
LIPIETZ, Alan. Miragens e Milagres. Problemas da Industrialização no Terceiro Mundo. São Paulo: Nobel, 1988.Bibliografia Complementar: –


Código: IA-536
Nome: Geografia da Indústria
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-536
Nome: Geografia da indústria
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-297
Nome: Geografia da População
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: 1.Instrumentalizar os alunos para a compreensão da dinâmica populacional no espaço geográfico, as mudanças na Geografia da População;
2. Discutir e analisar indicadores populacionais sob a perspectiva da demografia e da Geografia.
3. Analisar as migrações internas e internacionais.Objetivos: População mundial: história e espaço geográfico. Teoria da transição democrática. Fontes de dados. Movimentos migratórios e mobilidade populacional. Natalidade, mortalidade, crescimento natural e vegetativo. Composição e técnicas de mensuração: etária, por sexo, étnica e estudos de PEA. Medidas de densidade e distribuição populacional. Processos de projeção populacional e tendências de mobilidade. Desigualdades regionais e o Planejamento. Estudos de caso.
Programa: 1 Dinâmica da População;
2. Conceito e campo da Geografia da População. A Geografia da População na Geografia;
3. Teorias de População;
4. Fatores da distribuição populacional no mundo.
5. Papel da Demografia na Geografia da População;
6. População brasileira: evolução e espacialização (Elementos da dinâmica populacional [mortalidade, natalidade, fecundidade, migração]);
7. Mobilidade do Trabalho;
8. População e território;
9. Deslocamentos populacionais: nacionais e internacionais – Estudos de caso: emigração, imigração e migrações internas
Bibliografia Básica: DAMIANI, Amélia L. População e Geografia.2.ed. São Paulo: Contexto,1996
FÓRUM SOCIAL DAS MIGRAÇÕES/ SERVIÇO PASTORAL DOS MIGRANTES (org). Travessias na desordem global. São Paulo: Paulinas, 2005
HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004
PATARRA, N. L.. [et all]. (orgs.) Migração, condições de vida e dinâmica urbana: São Paulo 1980-1993. Campinas: UNICAMP, 1997
POVOA NETO, Helion; FERREIRA, Ademir Pacelli (org). Cruzando Fronteiras Disciplinares. Rio de Janeiro: Revan, 2005
SPOSITO, Eliseu Savério, BOMTEMPO, Denise Cristina, SOUSA, Adriano Amaro (orgs). Geografia e migração: movimentos, territórios e territorialidades. São Paulo: Expressão Popular, 2010
Bibliografia Complementar: ALEGRE, Marcos. Estrutura da população brasileira.. Presidente Prudente: Unesp/FCT, 2002
BECKER, Olga Maria Schild. Mobilidade espacial da população: conceitos, tipologia,contextos. In: Iná Castro, Roberto Lobato Corrêa e Paulo César Costa Gomes (orgs).Explorações Geográficas. RJ: Bertrand Brasil, 1997
_______. O movimento dos trabalhadores sem-terra (mst) como expressão da contra-mobilidade espacial da população. UFRJ, 1997
BEAJEAU-GARNIER, J. Geografia da População, São Paulo: Nacional, 1971
BOGUS, Lucia M.M. Globalização e migração internacional: o que há de novo nesses processos? In : Desafios da Globalização (org.L.Dowbor et al.), Petrópolis:Vozes,1997.
BOBBIO, Norberto. O conceito de sociedade civil. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1982 (3ª.reimpressão em 1994).
BOSI, Ecléa. Memória sociedade: lembrança de velhos. São Paulo, SP. T.A. Editor, 1979.
DERRUAU, Max. Geografia Humana. Barcelona, Vicens-Vives, 1961
GAUDEMAR, J. P. Mobilidade do trabalho e acumulação do capital. Lisboa: Editora Stampa, 1977.
GEORGE, Pierre. Populações Ativas. São Paulo: Difel, 1979
________. Sociedades em mudança. Rio de Janeiro: Zahar Ed. 1982
________. Geografia da População 8ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 1991(atualizada de acordo com a 4ª edição francesa de 1973)
HAESBAERT, Rogério. Des-territorialização e identidade. A rede ?gaúcha?no Nordeste. Niterói. Ed. da UFF. 1997
KURZ, Robert. Barbárie, migração e guerras de ordenamento mundial. Para uma caracterização da situação contemporânea da sociedade mundial. In: FÓRUM SOCIAL DAS MIGRAÇÕES/ SERVIÇO PASTORAL DOS MIGRANTES (org). Travessias na desordem global. São Paulo: Paulinas, 2005
_______. O colapso da modernização. 4.ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1996
MARGOLIS, Maxine L. Little Brazil. Imigrantes brasileiros em Nova York. Campinas: Papirus, 1994
MARTINS, José de S. Não há terra para plantar neste verão. Petrópolis,: Vozes, 1986
________., Migrações temporárias: problema para quem? Revista Travessia, mai-ago/1988.
MARTINE, George. A Globalização inacabada. Migrações internacionais e pobreza no século XXI. . In: FÓRUM SOCIAL DAS MIGRAÇÕES/ SERVIÇO PASTORAL DOS MIGRANTES (org). Travessias na desordem global. São Paulo: Paulinas, 2005
_______. Estado, economia e mobilidade geográfica: retrospectiva e perspectivas para o fim do século. Revista Brasileira de Estudos da População, v.11, n.1, jan/jun.1994
MELCHIOR, Lirian Redes sociais e migrações laborais: múltiplas territorialidades : a constituição da rede nipo-brasileira em Ourinhos (SP) e no Japão / Lirian Melchior. – Presidente Prudente : [s.n], 2008
PATARRA, Neide Lopes. Movimentos migratórios internacionais recentes de/ para o Brasil e as políticas sociais. In: FÓRUM SOCIAL DAS MIGRAÇÕES/ SERVIÇO PASTORAL DOS MIGRANTES (org). Travessias na desordem global. São Paulo: Paulinas, 2005.( p. 335 a 380)
PASTORAL DOS MIGRANTES; et al. O Fenômeno Migratório no limiar do terceiro milênio: Desafios Pastorais. Petrópolis: Vozes, 1998
PERO, Valéria. Mobilidade social no Rio de Janeiro, Revista de Economia Mackenzie, Volume 4, n. 4, 2006
REIS, Rossana Rocha. Soberania, direitos humanos e Migrações internacionais Revista Brasileira de Ciências Sociais – Vol. 19 Nº. 55, junho/2004
ROSSINI, Rosa E. O retorno às origens ou a luta pela cidadania. O exemplo dos dekasseguis do Brasil em direção ao Japão. Revista da USP, São Paulo (27):24- 31, set.nov.1995
SANTOS, Milton. Economia espacial. Críticas e Alternativas. São Paulo: HUCITEC, 1979
________. Metamorfoses do espaço habitado. 3.ed. São Paulo, HUCITEC, 1994
SILVA, Sidney Antônio. Os imigrantes e os direitos humanos no Brasil. FÓRUM SOCIAL DAS MIGRAÇÕES/ SERVIÇO PASTORAL DOS MIGRANTES (org). Travessias na desordem global. São Paulo: Paulinas, 2005
SINGER, Paul. Dinâmica populacional e desenvolvimento. 4.ed. São Paulo: HUCITEC, 1988
VAINER, Carlos B. Reflexões sobre o poder de mobilizar e imobilizar na contemporaneidade. In: POVOA NETO, Helion; FERREIRA, Ademir Pacelli (org). Cruzando Fronteiras Disciplinares. Rio de Janeiro: Revan, 2005
Periódicos e outras publicações:
Boletim Geográfico (IBGE-RJ)
Revista Brasileira de Geografia (IBGE-RJ)
Revista do Departamento de Geografia da USP (SP)
Boletim Paulista de Geografia (AGB-SP)
Revista Brasileira de Estudos de População (ABEP/NEPO/UNICAMP-Campinas)
Revista São Paulo em Perspectiva-São Paulo
CENSOS demográficos e anuários estatísticos do IBGE
Revista Travessia


Código: IA-520
Nome: Geografia do estado do Rio de Janeiro
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: 1. Compreender a especificidade do Estado do Rio de Janeiro no território brasileiro.
2. Analisar as várias configurações do espaço fluminense, especialmente a partir da
intensificação das relações capitalistas no Estado e no País.Objetivos: Constituição político-administrativa do estado. Processo de formação territorial. Atividades econômicas que estruturam o território. Dinâmica populacional. Agricultura fluminense Reestruturação urbana. Configuração e processos espaciais contemporâneos, com ênfase na região metropolitana. Prática Laboratorial. Prática Curricular em Geografia. Trabalho de Campo previsto.
Programa: 1- O estado do Rio de Janeiro: constituição político-administrativa, território e espaço
2. Rio de Janeiro no contexto da economia colonial.
3 A cana de açúcar e cafeicultura na produção do espaço fluminense
4. A produção do espaço agrário
5 -A diversificação da agricultura e a intensificação do capital no campo.
6. A produção do espaço urbano.
7. A metrópole Carioca e outras regiões de governo
8 ? Dinâmica populacional
9 – A posição do Rio de Janeiro no contexto nacional e internacional.Bibliografia Básica: ABREU, M de A. (org) Formas movimentos e representações : estudos da geografia histórica carioca. Rio de Janeiro:Da Fonseca Comunicação, 2005
MARAFON,G.RIBEIRO,M.A. (ORGS) Revisitando o Território Fluminense. Rio de Janeiro:Gramma,2006.
MARAFON,G.RIBEIRO,M.A. (ORGS) Revisitando o Território Fluminense II. Rio de Janeiro:Gramma,2008.
REVISTA RIO DE JANEIRO. Vol. 1, nº 1 (set/dez), Niterói: EDUFF, 1985

Bibliografia Complementar: –


Código: IA-520
Nome: Geografia do estado do Rio de Janeiro
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-516
Nome: Geografia do Mundo Contemporâneo
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: analisar as diversas formas de compreensão do espaço mundial: a divisão físico-continental, a divisão econômica e política entre Países Centrais e Periféricos e a divisão regional. Compreender a regionalização e fragmentação do espaço mundial contemporâneo concomitante ao processo de globalização. Avaliar as tensões e os problemas políticos mundiais nesse início de século.
Objetivos: A Geografia dos Continentes, a divisão do mundo a partir da base físico-territorial; A Geografia do Desenvolvimento-Subdesenvolvimento, a divisão do mundo a partir dos diferentes estágios de desenvolvimento; A Geografia dos Blocos Comerciais, a divisão do mundo a partir dos blocos de comércio; A Geografia dos Blocos de Poder, a divisão do mundo a partir dos centros de poder mundial.
Programa: 1. Organização e divisão do espaço mundial
1.1. Divisões e concepções de regionalização do espaço mundial.
1.2. Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: velhas e novas abordagens.
1.3. Relações Centro-Periferia e a Nova Divisão Internacional do Trabalho.
2. Globalização, regionalização e fragmentação do mundo contemporâneo.
2.1. O processo de globalização e a integração econômica mundial.
2.2. Regionalização e formação de blocos econômicos regionais.
2.3. Fragmentação e conflitos no mundo pós-Guerra Fria.
2.4. Territorialização e desterritorialização no mundo contemporâneo.
3. Blocos de poder internacionais e questões regionais
3.1. EUA e sua área de influência imediata: Canadá e América Latina. O papel de ?polícia mundial? dos EUA no pós-Guerra Fria.
3.2. Japão e a Bacia do Pacífico: integração econômica regional e relação com EUA e União Européia.
3.3. Europa: poder político, econômico e cultural do Velho Mundo. Tensões internas e problemas externos.
3.3. A emergência da China no contexto político e econômico mundial. A estrutura de poder e a difícil determinação da natureza do regime de Pequim.
3.4. Oriente Médio: região de conflitos e de diversidade.
3.5. O crescente poder islâmico: novas questões políticas para o século XXI.Bibliografia Básica: AMIN, Samir. A economia árabe contemporânea. São Paulo: Vértice, 1986.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
FERON, Bernard. Iugoslávia: a guerra do final do milênio. Das origens do conflito aos bombardeios da OTAN. Porto Alegre: Editora LPM / Le Monde, 1993.
KENNEDY, Paul. Preparando para o Século XXI. . Editora Campus, Rio de Janeiro, 1993.
HOBSBAWM, Eric J.. Era dos extremos. São Paulo: Cia das Letras, 1995.Bibliografia Complementar: –


Código: IA-518-Geo
Nome: Geografia dos Blocos Econômicos
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: entender os fenômenos econômicos e políticos mundiais que estão na raiz da formação dos blocos econômicos internacionais. Identificar os principais blocos econômicos mundiais, sua evolução e transformação. Analisar o papel regional e mundial dos blocos econômicos contemporâneos, em particular o Mercosul.
Objetivos: Referenciais teóricos da geografia econômica nos processos históricos e contemporâneos de produção do espaço. Processos atuais de reestruturação produtiva. Reestruturações das formas de organização do trabalho, do espaço e das instituições em suas diferentes dimensões: econômicas, sociais, políticas e territoriais. Formação dos blocos econômicos; Brasil e o Mercosul.
Programa: 1. Natureza e formação dos blocos econômicos
1.1. Breve histórico da integração econômica internacional: Divisão Internacional do Trabalho e formas de integração regional
1.2. Blocos econômicos e blocos internacionais de poder: economia e política internacional.
1.3. Questões de economia do regime internacional: lastro econômico e sistema monetário internacional. Fluxos econômicos e comércio internacional.
1.4. Estágios da integração econômica: união aduaneira, área de livre comércio, mercado comum e união econômica e monetária.
1.5. Organizações para cooperação econômica e política internacional (FMI, Banco Mundial, OCDE etc.).
2. Blocos econômicos no mundo contemporâneo
2.1. Nafta (Acordo de Livre Comércio do Norte) e a supremacia norte-americana. As transferências de indústria para a fronteira México-EUA. O problema das migrações clandestinas nos EUA.
2.2. APEC (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico) e a importância crescente do eixo do Pacífico. A industrialização na Ásia e os Tigres Asiáticos. As crises econômicas que inviabilizam a implementação do bloco.
2.3. União Européia ? a integração econômica do velho continente. Contrastes sociais e econômicos da primeira união monetária do mundo. Obstáculos militares à implantação. Problemas étnicos na integração.
2.4. Pacto Andino ? dificuldades e limites de um bloco periférico. Tensões político-militares contemporâneas no bloco ? Venezuela e Colômbia. A problemática relação com os EUA.
2.5. ALCA (Área de Livre Comércio da América) ? um projeto em construção. Pressão norte-americana e oposição organizada. Perspectivas e críticas da integração comercial continental.
2.6. Demais blocos econômicos regionais: CARICOM, SACU, CEMAC, ALADI, ASEAN etc.
3. Mercosul
3.1. Histórico da integração regional no Cone Sul: Declaração de Foz do Iguaçu e Tratado de Assunção.
3.2. Países-membros: economia e política ? efeitos da integração regional. Desigualdades regionais.
3.3. Expansão do bloco: Estados associados e observadores, perspectivas de ingresso.
3.4. Limites e impasses da integração regional. Crises econômicas e tensões internas.Bibliografia Básica: Benko, George. Economia, espaço e globalização na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, 1996.
Haesbaert, Rogério. (org.) Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. Niterói: EdUFF, 1998.
Haesbaert, R. . Blocos Internacionais de Poder. São Paulo: Contexto, 1990.
Kennedy, Paul. Ascensão e Queda das Grandes Potências. Rio de Janeiro: Campus, 1991.
________. Preparando para o Século XXI. . Editora Campus, Rio de Janeiro, 1993.Bibliografia Complementar: –


Código: IA-542
Nome: Geografia dos Movimentos Sociais
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA530
Nome: Geografia e Educação Ambiental
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-511
Nome: Geografia Econômica
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: compreender a lógica espacial presente nas atividades econômicas, ou seja, tanto os desdobramentos geográficos da atividade econômica quanto o modo como a organização sócio-espacial determina o comportamento dos agentes econômicos. Identificar as principais atividades econômicas na sociedade moderna e as transformações recentes na economia mundial.
Objetivos: conceitos básicos do estudo econômico. Questões e temas da economia nacional. Os significados do desenvolvimento e do subdesenvolvido. O espaço da produção econômica. Relação entre Estado e desenvolvimento econômico. Circuitos espaciais da produção e cadeias produtivas.
Programa: 1. Conceitos básicos do estudo econômico
1.1. Capital, força de trabalho, produção, reprodução, acumulação.
1.2. A estrutura econômica moderna: produção, circulação, distribuição e consumo.
1.3. Noções de economia nacional: produto interno, produto nacional, renda, distribuição da riqueza, indicadores econômicos.
2. Os espaços da produção econômica
2.1. O espaço da produção primária ? agricultura, mineração, pesca, extrativismo.
2.2. O espaço da produção secundária ? indústria e transformação
2.3. O espaço da produção terciária ? comércio, serviços, pesquisas, as finanças e a sociedade de informação.
3. Economia espacial
3.1. Etapas do desenvolvimento geográfico do mercado mundial: do mercantilismo à globalização.
3.2. Os significados do desenvolvimento e do subdesenvolvimento ? divisão internacional do trabalho e da produção, relações de dependência e termos de troca.
3.3. O Estado e a política econômica: keynesianismo, desenvolvimentismo e planejamento. O debate sobre o papel do Estado na economia ? neoliberalismo e crise fiscal. Estado e planejamento econômico territorial.
3.4. As estruturas e as práticas produtivas modernas: integração vertical e horizontal, monopolização, oligopolização, externalização de custos e outsourcing.
3.5. Geografia do mundo do trabalho: concentração e mobilidade da força de trabalho ? a terciarização da força de trabalho na sociedade contemporânea.
3.6. Circuitos espaciais da produção: a espacialidade das cadeias produtivas e os complexos industriais, agro-industriais e tecnológicos.
3.7. A instabilidade econômica e a lógica espacial do capitalismo: o ?vai-e-vem? do capital.Bibliografia Básica: Benko, George. Economia, espaço e globalização na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, 1996.
Castells, Manuel. A Sociedade em Rede. A Era da Informação: economia, sociedade e cultura, v.1. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
Gregory, D.; Martin, R.; Smith, G. (orgs.). Geografia humana. Sociedade, Espaço e Ciência Social. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.
Lipietz, Alain. O capital e seu espaço. São Paulo: Nobel, 1988.
Moraes, Antonio Carlos Robert de; Costa, Wanderlei Messias da. A valorização do espaço. São Paulo: Hucitec, 1988.Bibliografia Complementar: –


Código: IA-509
Nome: Geografia Física do Brasil
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Relacionar informações representadas em diferentes formas e conhecimentos, disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente; Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos históricos-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações culturais.Reconhecer as diferenças naturais e sociais do Brasil; Relacionar o potencial natural ao seu desenvolvimento; Identificar cada um dos aspectos do quadro natural brasileiro; Apresentar os processos de formação e evolução do meio físico geográfico; Conhecer as formas e distribuição do relevo e seus principais agentes modificadores ? internos e externos.
Objetivos: A Natureza e seu significado na organização do espaço brasileiro. A questão da tropicalidade. Os elementos formadores da natureza e seu inter-relacionamento. As grandes paisagens naturais originais. As potencialidades da natureza (recursos naturais) frente ao desenvolvimento econômico e tecnológico. A questão da biodiversidade. Problemas ambientais dos ecossistemas brasileiros e as suas relações com as questões ambientais globais.
Programa: 1. O Espaço Territorial Brasileiro
1.1. Os Componentes
1.2.1- Geológicos
1.2.2- Pedológicos
1.2.3- Geomorfológicos
1.2.4- Hidrológicos
1.2.5- Biogeográficos
1.2.6- Climáticos
1,2,7- Análise Integrativa dos Componentes e o Espaço Brasileiro
2. Ação Antrópica e sua Interferência no Ambiente Físico
2.1. Impactos Ambientais no Meio Físico
2.2. Impactos Ambientais nos Ecossistemas
2.3. A Relação Local-Regional-Nacional-Continental e Global em Termos de Impactos AmbientaisBibliografia Básica: ABsABER, Aziz Nacib. Províncias geológicas e domínios morfoclimáticos no Brasil. São Paulo: USP/IG, 1970.
ANTUNES, Celso. A Terra e a Paisagem. São Paulo:Scipione, 1995. (Col. Por quê?).
CASSETTI, Walter. O Ambiente e a Apropriação do Relevo. São Paulo:Contexto, 1991.
FARNDON, John. Dicionário Escolar da Terra. Porto:Livraria Civilização Editora, 1996.
GUERRA, Antonio Teixeira. Coletânea de Textos Geográficos. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 1994.Bibliografia Complementar: AYOADE, J. O. Introdução à Climatologia para os Trópicos. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 1992.
CHRISTOFOLETTI, Antônio. A geografia física no estudo das mudanças ambientais. In: BECKER, Bertha K. e outros (orgs.). Geografia e Meio Ambiente no Brasil. São Paulo/Rio de Janeiro:Hucitec/Comissão Nacional do Brasil da União Geográfica Internacional, 1995. p. 334-345.
Ciência Hoje. out./nov. 1973, ago. 1995.
GUERRA, Antonio Teixeira GUERRA, Antonio José Teixeira. Novo Dicionário Geológico-Geomorfológico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1997.
GUERRA, Antonio José Teixeira CUNHA, Sandra Baptista da (orgs.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 1994.
______. Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
______. Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
______. Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 1998.
HAFFER, Jurgen. Ciclos de tempo e indicadores de tempos na história da Amazônia. Revista Estudos Avançados, n. 15, v. 6, São Paulo, IEA-USP, maio/jun. 1992. p. 7-39.
MENDONÇA, Francisco. Geografia física: ciência humana? São Paulo:Contexto, 1989.
ROSS, Jurandyr L Sanches. O relevo brasileiro, as superfícies de aplanamento e os níveis morfológicos. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, FFLCH/USP, n. 5, 1991.
_______. Geomorfologia, ambiente e planejamento. São Paulo,:Contexto, 1990. A Terra.
ROSSI, Paolo. Os sinais do tempo: história da Terra e história das nações de Hooke a Vico. São Paulo:Companhia das Letras, 1992.


Código: IA-509
Nome: Geografia Física do Brasil
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-537
Nome: Geografia Humana do Brasil
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Periodização espacial e regionalizações do Brasil. O Brasil do arquipélago e o pacto federativo nacional. A integração econômica do espaço nacional: industrialização, urbanização, modernização da agricultura, os movimentos migratórios, o planejamento regional ? hierarquias e redes espaciais. O Brasil na era da globalização: a opção internacionalizante e as novas tendências dos padrões espaciais.
Objetivos: Periodização espacial e regionalizações do Brasil. O Brasil do arquipélago e o pacto federativo nacional. A integração econômica do espaço nacional: industrialização, urbanização, modernização da agricultura, os movimentos migratórios, o planejamento regional ? hierarquias e redes espaciais. O Brasil na era da globalização: a opção internacionalizante e as novas tendências dos padrões espaciais.
Programa: 1. Brasil: divisão regional
1.1. Problemas teóricos e práticos da divisão regional do Brasil. A dimensão continental e a complexidade social. Paisagens naturais e diversidade sócio-econômica.
1.2. Histórico da divisão regional do Brasil: André Rebouças, Elisée Réclus, Delgado de Carvalho, Pierre Denis, Betim Paes Leme, Moacir Silva, IBGE.
1.3. A divisão atual e oficial, a divisão em complexos geoeconômicos e as sub-regiões.
2. Formação do território brasileiro e a estrutura da União
2.1. Da economia de arquipélago e do ?território molecular? ao Estado centralizado. Industrialização e concentração econômica regional. A mobilidade populacional e a ocupação do território.
2.2. Pacto Federativo e estrutura do poder regional brasileiro.
2.3. A desigualdade econômica no território brasileiro e a complexidade regional da atividade produtiva nacional. A hierarquia econômica e urbana no Brasil ? áreas de influência e rede.
2.4. Planejamento regional no Brasil: as superintendências, desenvolvimento regional e desenvolvimento local.
2.5. O Brasil e as suas conexões políticas, financeiras e informacionais com o mundo: a economia brasileira como potência regional e como ?nação emergente?.
3. Complexos geoeconômicos
3.1. Nordeste: diversidade e conexão entre o ?moderno? e o ?tradicional?. O litoral e o interior – formas de ocupação do território. O Sertão e os problemas sociais. As sub-regiões do nordeste.
3.2. Centro-Sul: o motor econômico, industrial e financeiro do Brasil. Os contrastes internos e as complexas configurações do espaço no triângulo: Rio-BH-São Paulo. A produção agrícola e a fronteira no Sul do Brasil. As sub-regiões do Centro-Sul.
3.3. Amazônia: a ocupação recente e a tensão na ocupação dos ecossistemas naturais (Floresta Amazônica e Pantanal). A fronteira agrícola e os conflitos por terra. As sub-regiões da Amazônia.Bibliografia Básica: Carleial, Liana M. da F. ?A questão regional no Brasil contemporâneo?. In: LAVINAS, Lena et alli. (orgs.). Reestruturação do espaço urbano e regional no Brasil. São Paulo: ANPUR: HUCITEC, 1993, p. 35-58.
Corrêa, R. L. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1987.
Egler. Cláudio. Questão regional e gestão do Território no Brasil. In: Castro, Iná Elias de; Gomges, Paulo César da Costa; Corrêa. Roberto Lobato (orgs.). Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1995, p.207-238.
Guimarães, Fábio de Macedo Soares. Divisão Regional do Brasil. Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geografia. Ano 3, n 2, 1941.
Lencioni. Sandra. Região e Geografia. São Paulo: Edusp, 1999.Bibliografia Complementar: –


Código: IA-537
Nome: Geografia Humana do Brasil
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-523
Nome: Geografia Planejamento e Gestão do Território
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Apresentar as noções, origens, tendências, possibilidades e limitações da prática do planejamento. Identificar possíveis escalas de aplicação do planejamento e sua tipologia. Discutir e analisar o desenvolvimento territorial como meta da prática do planejamento. Propiciar o debate das novas realidades econômicas. Incentivar a reflexão acerca de um planejamento territorial com alcance da cidadania.
Objetivos: Planejamento uma abordagem sintética de suas definições. Desigualdades Espaciais, Instrumentos de Regulação e os Agentes do Planejamento. O papel atribuído ao planejamento, pelo Estado, como instrumento ?eficaz? de homogeneização das desigualdades sócio-espaciais e as contradições que se colocam em sociedades capitalistas. A Prática Atual de Planejamento. Os veios atuais de intervenção – planejamento ambiental e estratégico. Exercício prático de análise e diagnóstico, mediante o estudo de um objeto selecionado através do trabalho em grupo. Gestão territorial
Programa: 1. Planejamento
1.1. Origens e propósitos
1.2. Desdobramentos
1.3. Críticas, possibilidades e limitações
1.4. Capitalismo e o desenvolvimento desigual
2. Desenvolvimento territorial
2.1. A construção do território
2.2. O desenvolvimento e as novas realidades econômicas
2.3. A dotação técnico-científico-informacional do território
2.4. Questão das escalas da relação entre Planejamento e território. As escalas do poder e o poder das escalas
2.4.1. Projeto de desenvolvimento Internacional
2.4.2. Projeto de desenvolvimento Nacional
2.4.3. Projeto de desenvolvimento Local
2.4.3.1. Capital social, território e cidadania
2.4.3.2. Arranjos Produtivos Locais
2.4.3.3. Ativismos Sociais
3. Por um outro desenvolvimento
3.1. Questões para a reflexão futura
3.2. Planejamento e gestão territorial: cooperação e solidariedadeBibliografia Básica: ANDRADE, Manuel Correa de. A questão do território no Brasil. São Paulo: HUCITEC, 2004.
SOUZA, Marcelo Lopes de. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.
CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (ORGs.). Questões atuais da reorganização do território. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
ROSS. Jurandyr Luciano Sanches. Ecogeografia do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.
GUERRA, A. J. Teixeira; CUNHA, S. B. da. (orgs) Impactos Ambientais Urbanos no Brasil: Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.Bibliografia Complementar: ANDRADE, Manuel Correa de Aceleração e Freios ao Desenvolvimento brasileiro. Petrópolis-RJ: Vozes, 1973a.
_________. Espaço, Polarização e Desenvolvimento. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1973b.
ANDRADE, Manuel Correia e ANDRADE, Sandra Maria Correia. A federação brasileira: uma análise geopolítica e geo-social. São Paulo: Contexto, 1999.
ARANTES, OTÍLIA; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único. Desmanchando consensos. Petrópolis-RJ: Vozes, 2000.
ARAÚJO, Tânia Bacelar. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan: Fase, 2000.
BENKO, Georges B. Economia, espaço e globalização: na aurora do século XXI. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: HUCITEC, 1999 [1995].
________. Organização econômica do território: algumas reflexões sobre a evolução no século XX. In: SANTOS, M., SOUZA, M. A., SILVEIRA, M. L. (orgs). Território ? Globalização e fragmentação. 2ª. Ed. São Paulo: HUCITEC ? ANPUR, 1996.
BENKO, Georges B; LIPIETZ, Alain. (Org.) As regiões ganhadoras. Distritos e redes. Os novos paradigmas da geografia econômica. Tradução de Antonio Gonçalves. Oeiras: Celta, 1994
BOZZANO, Horácio. Tertorios reales, territórios pensados, territórios possibles. Apotes para una teoria territorial del ambiente. Buenos aires: Espacio territorial, 2000.
CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (ORGs.). Questões atuais da reorganização do território. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
CASTRO, Iná Elias de. Geografia e política: território, escalas de ação e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. .
COSTA, Armando João Dalla e GRAF, Márcia Elisa de Campos (orgs.). Estratégias de desenvolvimento urbano e regional. Curitiba: Juruá, 2004.
DIAS, Leila Christina, SILVEIRA, Rogério Leandro de Lima (orgs.). Redes, Sociedades e Territórios. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2005.
IPPUR. Planejamento e território: ensaios sobre a desigualdade. Cadernos do IPPUR ? Ano 1, n. 1 (jan./abr, 1986). Rio de Janeiro: UFRJ/IPPUR, 1986.
KON, Anita (org.). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Perspectiva, 1999.
LAGES, Vinícius, BRAGA, Christiano, MORELLI, Gustavo (orgs.) Territórios em movimento: cultura e identidade como estratégia de inserção competitiva. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004
LIMONAD, Éster, HAESBAERT, Rogério, MOREIRA, Ruy (Orgs.). Brasil século XXI ? por uma nova regionalização? Agentes, processos e escalas. São Paulo: Max Limonad, 2004.
LIMONAD, Éster. Considerações sobre o novo paradigma do espaço de produção industrial. In: Ciência Geográfica. Bauru. IX ? Vol. IX (3) Set/Dez, 2003.
NEGRI, Barjas e PACHECO, Carlos Américo. Mudança tecnológica e desenvolvimento regional nos anos 90: a nova dimensão espacial das indústrias paulista. In: Espaço e debates. No. 38, 1994.
PAULILLO, Luiz Fernando. Redes de poder territórios produtivos: indústria, citricultura e políticas públicas no Brasil do século XX. São Carlos: Rima: UFSCar, 2000.
PORTO-GONÇALVES, Carlos Valter. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.
RIBAS, Alexandre Domingues, SPOSITO, Eliseu Savério, SAQUET, Marcos Aurélio. Território e desenvolvimento: diferentes abordagens. Francisco Beltrão: UNIOESTE, 2004.
SACHS, Wolfgang. Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder. Petrópilis: Vozes, 2000.
SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: editora da USP, 2005 [1979].
_________. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4ª ed. São Paulo: Editora da USP, 2004 [1996].
SANTOS, Milton, SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 6ª ed.Rio de Janeiro: Record, 2004 [2001].
SINGER, Paul. Dinâmica populacional e desenvolvimento. São Paulo: CEBRAP, 1970.
SMITH, Neil. Contornos de uma política espacializada: veículos dos sem-teto e produção de escala geográfica. In: ARANTES, Antônio (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000.
_________. Desenvolvimento desigual. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.
SOUZA, Marcelo Lopes de e RODRIGUES, Glauco Bruce. Planejamento urbano e ativismos sociais. São Paulo: UNESP, 2004.
_______. ABC do desenvolvimento urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
TAVARES, Maria da Conceição; FIORI, José Luís. (Org.) Poder e dinheiro. Uma economia política da globalização. Petrópolis: Vozes, 1998.
ROSS. Jurandyr Luciano Sanches. Análises e Sínteses em Geografia para o Planejamento Ambiental. In: Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, 1995.


Código: IA-550
Nome: Geografia Regional do Brasil
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Compreender a formação do território brasileiro em sua complexidade regional, contrastes, diferenças e conflitos. Analisar as propostas de divisão regional do Brasil e compreender o papel do planejamento regional no desenvolvimento econômico e social. Destacar as particularidades locais na relação entre espaço nacional e espaço mundial no período técnico-científico-informacional.
Objetivos: Periodização espacial e regionalizações do Brasil. O Brasil do arquipélago e o pacto federativo nacional. A integração econômica do espaço nacional: industrialização, urbanização, modernização da agricultura, os movimentos migratórios, o planejamento regional ? hierarquias e redes espaciais. O Brasil na era da globalização: a opção internacionalizante e as novas tendências dos padrões espaciais.
Programa: 1. Brasil: divisão regional
1.1. Problemas teóricos e práticos da divisão regional do Brasil. A dimensão continental e a complexidade social. Paisagens naturais e diversidade sócio-econômica.
1.2. Histórico da divisão regional do Brasil: André Rebouças, Elisée Réclus, Delgado de Carvalho, Pierre Denis, Betim Paes Leme, Moacir Silva, IBGE.
1.3. A divisão atual e oficial, a divisão em complexos geoeconômicos e as sub-regiões.
2. Formação do território brasileiro e a estrutura da União
2.1. Da economia de arquipélago e do ?território molecular? ao Estado centralizado. Industrialização e concentração econômica regional. A mobilidade populacional e a ocupação do território.
2.2. Pacto Federativo e estrutura do poder regional brasileiro.
2.3. A desigualdade econômica no território brasileiro e a complexidade regional da atividade produtiva nacional. A hierarquia econômica e urbana no Brasil ? áreas de influência e rede.
2.4. Planejamento regional no Brasil: as superintendências, desenvolvimento regional e desenvolvimento local.
2.5. O Brasil e as suas conexões políticas, financeiras e informacionais com o mundo: a economia brasileira como potência regional e como ?nação emergente?.
3. Complexos geoeconômicos
3.1. Nordeste: diversidade e conexão entre o ?moderno? e o ?tradicional?. O litoral e o interior – formas de ocupação do território. O Sertão e os problemas sociais. As sub-regiões do nordeste.
3.2. Centro-Sul: o motor econômico, industrial e financeiro do Brasil. Os contrastes internos e as complexas configurações do espaço no triângulo: Rio-BH-São Paulo. A produção agrícola e a fronteira no Sul do Brasil. As sub-regiões do Centro-Sul.
3.3. Amazônia: a ocupação recente e a tensão na ocupação dos ecossistemas naturais (Floresta Amazônica e Pantanal). A fronteira agrícola e os conflitos por terra. As sub-regiões da Amazônia.Bibliografia Básica: Ajara, César. Uma pauta para reflexão sobre o urbano e o regional no Brasil dos anos 90. In Castro, Iná Elias de. et al. (Orgs.). Redescobrindo o Brasil – 500 anos depois. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. Balbím, Renato Nunes. Região, território, espaço: funcionalizações e interfaces. In: Carlos, Ana Fani. (Org.) Ensaios de geografia contemporânea Milton Santos: obra revistada. São Paulo: Hucitec, 1996.
Egler. Cláudio. Questão regional e gestão do Território no Brasil. In: Castro, Iná Elias de; Gomges, Paulo César da Costa; Corrêa. Roberto Lobato (orgs.). Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1995, p.207-238.
Lavinas, Lena et alli. ?Federalismo e regionalização dos recursos públicos?. XXII Encontro Nacional de Economia da ANPEC, Florianópolis, dezembro de 1994, Anais…, v. 1, p. 427-437.
Lencioni. Sandra. Região e Geografia. São Paulo: Edusp, 1999.
Moreira, Ruy. Da região à rede e ao lugar (A nova realidade e o novo olhar geográfico sobre o mundo). In Revista Ciência Geográfica – AGB-Bauru. Nº6, p.01-11, abril de 1997.Bibliografia Complementar: Andrade. Manuel Correia de. Espaço. Polarização e Desenvolvimento. São Paulo. Atlas. 1987.
Azzoni, Carlos R., Ferreira, Dirceu A. Competitividade regional e reconcentração industrial: o futuro das desigualdades regionais no Brasil. Revista Econômica do Nordeste, v. 28, n. especial, julho 1997, p. 55-85.
Bandeira, Pedro S. ?A ressurreição do separatismo no Brasil?. Indicadores Econômicos FEE: análise conjuntural, v. 20, n. 4, 1993, p. 206-215.
Cano, Wilson. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil: 1930-1970. São Paulo: Global; Campinas: Editora da UNICAMP, 1985.
Carleial, Liana M. da F. ?A questão regional no Brasil contemporâneo?. In: LAVINAS, Lena et alli. (orgs.). Reestruturação do espaço urbano e regional no Brasil. São Paulo: ANPUR: HUCITEC, 1993, p. 35-58.
Cavalcanti, Carlos E. G., Prado, Sérgio. Aspectos da guerra fiscal no Brasil. Brasília: IPEA:São Paulo:FUNDAP, 1998.
Corrêa, R. L. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1987.
Cardoso, Maria Francisca Thereza C. Desequilíbrios Regionais – Formulações teóricas In: Boletim carioca de Geografia da AGB, Rio de janeiro, AGB, ano XXVII, 1977.
Egler. Cláudio. Questão regional e gestão do Território no Brasil. In: Castro, Iná Elias de; Gomges, Paulo César da Costa; Corrêa. Roberto Lobato (orgs.). Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1995, p.207-238.
Furtado, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1987.
Goldenstein, Léa; Seabra, Manoel. Divisão Territorial do trabalho e nova regionalização. In: Revista do Departamento de Geografia . São Paulo: Edusp, 1982. p. 21-47.
Guimarães, Fábio de Macedo Soares. Divisão Regional do Brasil. Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geografia. Ano 3, n 2, 1941.
Haesbaert, Rogério. A noção de rede regional: reflexões a partir da migração gaúcha no Brasil. In Território. Revista do Laboratório de Gestão do Território – LAGET/UFRJ. Ano III, Nº 4 (jan.Jun., 1998). Rio de Janeiro: Garamoud, 1998.
Lavinas, Lena et alli. ?Federalismo e regionalização dos recursos públicos?. XXII Encontro Nacional de Economia da ANPEC, Florianópolis, dezembro de 1994, Anais…, v. 1, p. 427-437.
Lavinas, Lena et al. ?Desigualdades regionais e retomada do crescimento num quadro de integração econômica?. Texto para Discussão n. 466, Rio de Janeiro: IPEA, março 1997.
Lencioni. Sandra. Região e Geografia. São Paulo: Edusp, 1999.
Markusen. Ann. Região e Regionalismo: um enfoque marxista. In: Espaço e Debates. Revista de Estudos Regionais e urbanos. Ano l n° 2 maio de 1981. Cortez Editora: São Paulo, p. 61 a 99.
Massey, Doreen. Regionalismo: alguns problemas atuais. In: Espaço e Debates. Revista de Estudos Regionais e Urbanos. Ano l n° 4 maio de 1981. Cortez Editora: São Paulo, p. 51 a 83.
Melo, Jayro Gonçalves, (org.) Região, Cidade e Poder. Presidente Prudente: GAsPERR, 1996.
Moreira, Ruy. Da região à rede e ao lugar (A nova realidade e o novo olhar geográfico sobre o mundo). In Revista Ciência Geográfica – AGB-Bauru. Nº6, p.01-11, abril de 1997.
Oliveira, Francisco de. Elegia para uma re(li)gião. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
Oliveira, Francisco de. ?A questão regional: a hegemonia inacabada?. Estudos Avançados, 7(18), 1993, p. 43-63.
Prado Júnior, Caio Formação do Brasil Contemporâneo.. São Paulo: Martins, 1943.
Santos, Milton et alli (org.) Território. Globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/Anpur, 1996.
Scarlato, F. C. Globalização e espaço latino-americano. São Paulo: Hucitec/ANPUR, 1993.
Souza, Álvaro José de et all. (Orgs.). Paisagem território região – em busca da identidade. Cascavel/PR-Bauru/SP: Edunioeste – AGB Bauru, 2000.
Ribeiro. Júlio César Gonçalves, Marcelino Andrade. Região: uma busca conceitual pelo viés da contextualização histórico-espacial da sociedade, in: Revista – Terra Livre.
Rodriguez, Vicente. ?Os interesses regionais e a federação brasileira?. Ensaios FEE, v. 15, n. 2, 1994, p. 338-352.


Código: IA-503
Nome: Geografia Urbana
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Refletir sobre a urbanização a partir de uma perspectiva geográfica, compreendendo o fenômeno urbano em suas múltiplas manifestações (formas urbanas, função das cidades, processo de urbanização) e em sua relação com os processos sociais e econômicos mais amplos (modernização capitalista, industrialização, desenvolvimento, subdesenvolvimento, etc.). Discutir as condições históricas e geográficas para a autonomia do processo de urbanização em relação à indústria: a cidade terciária e as cidades globais.
Objetivos: A Geografia Urbana, evolução, conceitos e tendências. O significado da cidade e suas características. A construção do espaço urbano e a apropriação das cidades. Capitalismo, modernização e urbanização. Hierarquia e Rede Urbana. Metrópoles e megacidades. Centro e periferia. Segregação espacial e moradia. Transportes e serviços urbanos, Relação campo-cidade. Usos e conflitos do espaço urbano na contemporaneidade.
Programa: 1. Origem e definição de cidade
1.1. A cidade e o sítio
1.2. A concentração populacional
1.3. Forma social e estrutura urbana
1.4. Paisagens urbanas
2. A cidade moderna
2.1. A cidade européia na transição para o capitalismo
2.2. A cidade industrial
2.3. Industrialização e urbanização
3. Estrutura e morfologia da cidade moderna
3.1. Natureza e significado da rede urbana
3.2. Divisão territorial do trabalho e estrutura urbana
3.3. Mobilidade espacial da população e relação entre cidade e campo
3.4. As funções urbanas e as cidades funcionais
3.5. Crescimento/concentração demográfica, conurbação, especulação imobiliária, metropolização, suburbanização, megalópoles
3.6. A urbanização periférica
3.7. Cidades e serviços ? a cidade para além da indústria
3.8. Cidades globais
4. A crise urbana
4.1. A explosão e o estilhaçamento urbano: esvaziamento industrial, desmetropolização, decadência urbana
4.2. Decadência e favelização mundial
4.3. Problemas ambientais nas cidades: ilhas de calor, poluição atmosférica, eliminação de resíduos sólidos e contaminação do sistema hidrográfico urbano;
4.4. Segregação sócio-espacial nas cidades: guetificação, gentrificação, condomínios fechados, cidades privadas
4.5. Militarização do espaço urbano: violência urbana, territórios intra-urbanos (tráfico de drogas, milícias, paramilitares etc.)Bibliografia Básica: Abreu, Mauricio de. Evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Iplan-Rio/Jorge Zahar, 1987.
Carlos, Ana Fani Alessandri. A (Re)produção do Espaço Urbano. São Paulo, Edusp, 1994.
Correa, Roberto Lobato. A Rede Urbana. SP, Ática, 1989.
Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.
Harvey, David. A. Justiça Social e a Cidade. SP, Hucitec, 1982.Bibliografia Complementar: –


Código: IA-541
Nome: Geografia Urbana do Brasil
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-531
Nome: Geohistória
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: abordar a mútua colaboração da pesquisa histórica e pesquisa geográfica enfatizando a necessidade da complementação epistemológica entre espaço e tempo. Fazer um retrospecto dos estudos geohistóricos (principalmente na Geografia e História francesas) para servir como referência para os estudos pontuais do Brasil e do Mundo moderno.
Objetivos: Considerações sobre a geohistória: conceito, método. Meio geográfico e criações culturais. Valorização do espaço geográfico. As escolas do pensamento geográfico e seu legado. Discurso ?legítimo? sobre o território. Desenvolvimento da ciência geográfica no Brasil. Núcleos geohistóricos brasileiros.
Geografia e Historia: ciências sociais. O século XIX: a era dos impérios. A evolução do estado nacional ocidental: uma perspectiva produtivista e classista; expansionismo e colonialismo no século XIX: DIT. As revoluções industriais e o liberalismo: o bem-estar e a lógica do mercado; nacionalismo na Europa e na Ásia; a ideologia alemã; o absolutismo português e o estado brasileiro no século XIX; influencias na ocidentalização do país. A construção da identidade nacional brasileira: a mão invisível do estado na construção do bem-estar no Brasil do século XX.Programa: 1. Geohistória: origem e métodos
1.1. Determinismo e possibilismo no debate geográfico
1.2. Aproximações entre História e Geografia: La Blache e Lucien Febvre
1.3. A geohistória de Fernand Braudel
1.4. Espaço e tempo: questões epistemológicas
2. Geohistória do Mundo moderno
2.1. O Mediterrâneo e o Atlântico na História Moderna
2.2. A era dos impérios e a questão nacional no século XIX
2.3. A África no contexto histórico do final do século XIX
2.4. O imperialismo e o nacionalismo germânico
2.5. Nacionalismo europeu no início do século XX
2.6. O longo século XX
3. Geohistória do Brasil
3.1. Questões geográficas na ocupação do território brasileiro
3.2. Geohistória e paisagens culturais no Brasil
3.3. Geohistória da Serra do Mar
3.4. Geohistória do Sertão
3.5. Geohistória das Minas Geraes
3.6. Geohistória da Amazônia
3.7. Geohistória da GuanabaraBibliografia Básica: Barbosa, W. A. Dicionário histórico-geográfico de Minas Gerais. Belo Horizonte, 1971.
1972.
Braudel, F. Mediterrâneo e o mundo mediterrânico na época de Felipe II.
Lisboa: Martins Fontes, 1983.
________. Civilização Material, economia e capitalismo. Séculos XV-XVIII. Volume I: ?As estruturas do cotidiano?. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
________. ?Geohistória?, tradução de Marisa Deaecto e Lincoln Secco, Entre passado e futuro, São Paulo: USP, maio de 2002, pp. 124-135.
Febvre, Lucien. A terra e a evolução humana: introdução geográfica à história. Lisboa: Cosmos, 1991.

Bibliografia Complementar: –


Código: IA-291
Nome: Geologia Geral
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-519
Nome: Geomorfologia Costeira
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Conhecer a distribuição e o comportamento espacial dos principais ambientes costeiros através de seus geoindicadores tectônicos e clímato-eustáticos na gênese, evolução das feições costeiras e seus processos associados.
Objetivos: A Geografia Costeira e as ciências afins. Principais ambientes costeiros. Eventos controladores do sistema costeiro. Interação tectônica e clima. Feições costeiras e processos associadas. Variações do nível do mar. Ocupação antrópica..Planejamento e gerenciamento costeiro.
Programa: 1-Bases teórica e metodológica
1.1- Entidades marinhas e costeiras
1.2- Métodos e modelos conceituais e digitais
1.3- Aplicações
2-Interação dos geossitemas tectônica e clima
2.1- As placas tectônicas e as margens continentais
2.2- Influência dos eventos tectônicos e clímáticos
2.3- As variações eustáticas e feiçõess associadas
3-Processos marinhos e feições associadas
3.1- Tipos e ação dos processos marinhos
32- Feições associadas
3.3- As Ação antrópica
4Análise ambiental dos principais ambientes costeiros
4.1- Domínios costeiros
4.2- Feições costeiras
4.3- Feições marinhas
5- Gerenciamento Costeiro
5.1- Métodos e técnicas associadas
5.2- Instrumentos de gestão ambiental
5.3- planos, programas e projetos
5.4 – Análise ambiental por geoprocessamentoBibliografia Básica: AUGUSTINUS, P.G.E.F. Coastal Geography vis-à-vis the global change approach and coastal sustainable development. In: VALLEGA, A.; AUGUSTINUS, P.G.E.F SMITH, H.D. (eds.). Geography. Oceans and coasts towards sustainable developmentBrasília: Franco Angeli, 1998. p. 117-124.
MORAES, A.C.R. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil ? elementos para uma geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1999. 229 p.
MUEHE, D. O litoral brasileiro e sua compartimentação. In: CUNHA, S.B GUERRA, A.J.T. (orgs.). Gemorfologia do Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 1998. p.273-349.
MUEHE, D. Estabelecimento de limites da orla para fins de gerenciamento. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 2 no. 1 2001 pp. 35-44.
EGLER, C.G.A. Configuração de metodologia para o macrozoneamento costeiro do Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, Série Gerenciamento Costeiro, v.2, 1995.42 p.Bibliografia Complementar: DAVIES, J.L. Geographical variation in coastal development. 2ªed. Londres: Longman, 1980. 212p.
KING, C. A. M. Beaches and coasts. London: Edward Arnold, 1959. 403p.
PETHICK, J. An Introduction to coastal geomorphology. London: E. Arnold, 1984. 260p.
SUGUIO, K. Dicionário de geologia marinha. São Paulo: Biblioteca de Ciências Naturais, 1992. 171p.
ZENKOVICH, V. P. Processes of coastal development. Edinburgh: Oliver Boyd, 1967. 378p.


Código: IA-534
Nome: Geomorfologia do Brasil aplicada ao ensino
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-505
Nome: Geomorfologia Estrutural
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Propriedades físicas das rochas e seus aspectos mecânicos. Estruturas geológicas produzidas por diastrofismo. Aspectos texturais e de fabric das rochas deformadas. Petrologia estrutural. Mapas estruturais.
Objetivos: Propriedades físicas das rochas e seus aspectos mecânicos. Estruturas geológicas produzidas por diastrofismo. Aspectos texturais e de fabric das rochas deformadas. Petrologia estrutural. Mapas estruturais.
Programa: 1. Dados conceituais básicos
1.1. Propriedade Mecânica das Rochas.
1.2. Estruturas primárias e suas implicações tectônicas.
1.3. Reologia e deformação em estado sólido e fluxo magmático.
Atividade Prática: Exercício sobre reologia em sala de aula
2. Geologia Estrutural Introdutória
2.1. Dobras, Foliações e Lineações.
2.2. Análise Estrutural.
2.3. Geologia Estrutural do Rio de Janeiro.
2.4. Zonas de Cisalhamento.
2.5. Introdução a Neotectônica.
Atividade Prática: Determinação e análise de estruturas tectônicas em laboratório.
Saída de Campo: Rural ? Rio Claro ? Rodovia Presidente Dutra
3. Geologia Estrutural Aplicada
3.1. Geologia Estrutural e Hidrogeologia.
3.2. Geologia Estrutural e Mineralizações.
3.3. Geologia Estrutural e Petróleo.
Atividade Prática: Saída de Campo ? Região de Ibitipoca
4. Métodos auxiliares em geologia estrutural
4.1. Cartografia Geológica: Mapas topográficos, confecção de perfis geológico-estruturais e uso de bússolas.
4.2. Análise Geométrica das deformações: Projeções estereográficas com tratamento estatístico.
4.3. Microestrutural.
Trabalho de Campo em Análise Estrutural ? Região de Arrozal
Carga Horária das atividades práticas: 66 horas/campo ? 32 horas/laboratório.
Bibliografia Básica: DAVIS, G.H. Structural Geology of Rocks and Regions. New York: John Wiley Sons, 492p. 1984.
HANCOCK, P.L. Continental deformation. 1ª Edição. Oxford: Pergamon Press, Inc., 1994.
HOBBS, B.E./MEANS, W. An Outline of Structural Geology. New York: John Wiley Sons Inc, 571p. 1976.
MCCLAY, K. R. The Mapping of Geological Structures. Geological Society of London Handbook Series. 162p. 1987.
MARSHAK, S./MITRA, G. Basic Methods of Strutural Geology. New Jersey: Prentice Hall, 1988.
NICOLAS, A. Principles of Rock Deformation. Ed.1a.Encad. D.Reidel Publishing Company. 1987.
PARK, R. G. Foundations of Structural Geology. Ed. 2a. Brocch. Blackie Academic Professional. 1988.
PARK, R. G. Geological Structural And Moving Plates. Ed:1a. Broch. Blackie Academic Professional. 1988.
PASSCHIER, C.W./TROUW, R. A J. Microtectonics.. Ed: 1a. Encad – Springer-Verlag. 1996.
RAMSAY, J.G./HUBER, M.I. The Techiniques of Modern Structural Geology. Volume I: Strain Analysis – Ed: 1a Broch – Academic Press. 1983.
RAMSAY, J. G.; HUBER, M.I. The Techniques of Modern Structural Geology. Vol. II Folds and Fractures – Ed: 1a. Broch. – Academic Press. 1987.Bibliografia Complementar: –


Código: IA-513
Nome: Geomorfologia Fluvial
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: Fundamentos de hidrologia, hidrografia e hidrogeologia. A bacia hidrográfica e seus elementos componentes. Os principais ambientes fluviais. Padrões de drenagem e a influência da morfoestrutural. Interação entre os parâmetros hidrológicos e processos fluviais nos ambientes fluviais. Feições fluviais e de contato. Geomorfologia fluvial aplicada.
Programa: 1- Considerações Fundamentais
1.1- Elementos hidrológicos
1.2- Hidrografia e hidrogeologia
1.3- A bacia hidrográfica e suas entidades constiuintes
1.4- Hierarquia
2- Os Principais Ambientes Fluviais
2.1- Vale Estrutural e Baixada
2.2- De transição: estuários e deltas
3- Padrões de Drenagem
3.1- A influência da morfoestrutura
3;2- Tipos de padrões e a distribuição da drenagem
3.3- Reconstituição de paleodrenagem
4- Parâmetros Hidrológicos
4.1- Principais parâmetros hidrológicos e grau de influência
4.2- Interação parâmetros hidrológicos com os processos fluviais
4.3- Geoindicadores
5- Grupos de Processos Fluviais
5.1- Erosão transporte d]e deposição
5.2- Linear e areolar
5.3- Entidades geomorfológicas e geológicas resultantes
6- Feições Fluviais e Constituição
5,1- De Vale Fluvial
5.2- De Baixada Fluvial
5.3- De Deltas e Estuários
7- Geomorfologia Fluvial Aplicada
6.1- Questões ambientais associadas
6.2- Recursos hídricos
6.3- Geomorfologia de EngenhariaBibliografia Básica: CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia Fluvial, São Paulo: Edgard Blucher, 1981.
CHRISTOFOLETTI, A. ?Significância da construção de barragens para funcionalidade das bacias hidrográficas e dos canais fluviais?. In: Anais do VII Simpósio Anual da ACIESP, São Paulo: ACIESP, 40 ? II, 1983.
GUERRA, Antonio Teixeira GUERRA, Antonio José Teixeira. Novo dicionário geológico-geomorfológico. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil,1997.
GUERRA, Antonio José Teixeira CUNHA, Sandra Baptista da (orgs.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.
______. Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 1996Bibliografia Complementar: GUERRA, A. j. T. CUNHA, A.J. T. Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 1996.
______. Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 1998.
HAFFER, Jurgen. Ciclos de tempo e indicadores de tempos na história da Amazônia. Revista Estudos Avançados, n. 15, v. 6, São Paulo, IEA-USP, maio/jun. 1992. p. 7-39.
MENDONÇA, Francisco. Geografia física: ciência humana? São Paulo:Contexto, 1989.
ROSS, Jurandyr L Sanches. O relevo brasileiro, as superfícies de aplanamento e os níveis morfológicos. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, FFLCH/USP, n. 5, 1991.
ROSSI, Paolo. Os sinais do tempo: história da Terra e história das nações de Hooke a Vicosa. São Paulo:Companhia das Letras, 1992.
ROSS, J. Geomorfologia, ambiente e planejamento. São Paulo, Contexto, 1990. A Terra. São Paulo, Ática, 1996. (Série Atlas Visuais)


Código: IA-292
Nome: Geomorfologia Geral
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Contextualizar a geomorfologia nas ciências da Terra e na Geografia, abordando seus pilares teóricos; Possibilitar a compreensão da dinâmica terrestre e os mecanismos geradores das macroestruturas da crosta, enfatizando os processos tectônicos e seus resultados na superfície; Enfatizar a atuação das condicionantes exógenas sobre as estruturas na esculturação do relevo; Capacitar o aluno a identificar na paisagem atual os processos geomorfológicos que a originaram; Familiarizar o aluno com a documentação geológica, geomorfológica e imagens de satélite na análise do relevo; Promover a compreensão das macroformas do relevo e da classificação do relevo do Brasil, especialmente da região sudeste e do Estado do Rio de Janeiro; Desenvolver nos alunos a percepção de como as diferentes formas de relevo interferem na organização dos espaços e desenvolvimento das atividades produtivas.
Objetivos: Bases conceituais e metodológicas da Geomorfologia; a geomorfologia no contexto da Geografia; processos endógenos e morfo-estruturais; estudo morfogenético do relevo em bacias sedimentares, cinturões orogenéticos e plataformas; estruturas e esculturas do relevo brasileiro, de sudeste e do Rio de Janeiro, exemplos de aplicações de estudos geomorfológicos ao planejamento ambiental.
Programa: 1 – A geomorfologia no contexto da geografia1.1 – Objetivos, conceitos norteadores e definições1.2 – Os pilares teóricos da geomorfologia1.2 – O relevo na análise geográfica2 – Dinâmica dos processos endógenos e exógenos2.1 – Processos endógenos ativos e passivos2.2 – Propriedades geomorfológicas das rochas3 – Morfoestruturas e morfoesculturas3.1 – Morfoestruturas: escudos cristalinos (plataformas ou crátons); cinturões orogênicos; bacias sedimentares3.2 – Morfoesculturas: planaltos; planícies; depressões4 – Introdução à geomorfologia costeira4.1 – Relevo submarino e as margens continentais4.2 – Compartimentação do litoral brasileiro5 – Relevo do Brasil5.1 – Classificações do relevo no Brasil5.2 – Relevo do sudeste5.3 – Relevo do Rio de Janeiro6 – Geomorfologia ambiental6.1 – O relevo na análise ambiental integrada6.2 – Relevo, produção e ocupação do território
Bibliografia Básica: CASSETEI, Walter. O ambiente a apropriação do relevo. Editora Contexto, São Paulo,1991.CRHISTOFOLETTI, Antonio. Geomorfologia. Ed. Edgard Blucher. São Paulo, 2003.GUERRA, A. J. T. e CUNHA, S. B. da (orgs). Geomorfologia uma Atualização de Bases e Conceitos. 2ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.PENTEADO, Margarida. Fundamentos de Geomorfologia. FIBGE. Rio de Janeiro, 1983.ROSS, Jurandyr. L Sanches. Relevo brasileiro: uma nova proposta de classificação. In: Revista do Departamento de Geografia 5. São Paulo, 1991.
Bibliografia Complementar: AB´SABER, Aziz Nacib. Um Conceito de Geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o Quaternário. IGEO-USP. São Paulo, 1969.CHOLLEY, A. Morfologia estrutural e morfologia climática. In: Blo. Geográfico 155, 1960.DAVIS, W. M. O ciclo geográfico. EUA, 1899 (trad. Novello, L.L.)GRIGORIEV, A. A. Os fundamentos teóricos da moderna geografia física. In: The Interaction of Sciense in the Study of the Earth:Moscou, 1968.TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, 1977.PENCK, Walter. Morphological analysis of ladforms: a contribution to physical geology. London, MacMillan, 1953.


Código: IA521
Nome: GeoPolítica
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: diferenciar a reflexão geográfica sobre a política (Geografia Política) e o discurso geográfico aplicado à política (Geopolítica), enfatizando a funcionalidade do espaço para o exercício do poder. Refletir sobre a relação entre Estado e Território, destacando as principais questões geopolíticas internacionais do passado (incluindo o brasileiro) e do presente.
Objetivos: Definição. Geografia Política, geoestratégia e fronteiras. Organização do espaço como instrumento de poder. O Estado Moderno e as políticas territoriais internas e externas.
A Geopolítica do período militar brasileiro. Cenário geopolítico mundial contemporâneo.
A Invenção da Geopolítica; Declínio do discurso geopolítico; O debate sobre o Imperialismo; Poder espacial no mundo contemporâneo.Programa: 1. Conceitos de Geografia Política e Geopolítica.
1.1. Espaço, Estado e Território.
1.2. Conceitos básicos de Teoria Política: poder, dominação e conflitos.
1.3. As origens do pensamento geopolítico na Geografia: Ratzel e o ?espaço vital?
1.4. Teorias sobre o Imperialismo e a ?partilha geográfica do mundo?
1.5. As ideologias geográficas
16. Geoestratégia e conflitos militares
2. A Geopolítica do Pós-Guerra.
2.1. O mundo bipolar do Pós-guerra.
2.2. Principais questões geopolíticas da Guerra Fria: áreas de influência, países-satélites, áreas de conflito, planos de desenvolvimento e tratados de defesa.
2.3. Os think tanks da Guerra Fria: institutos de pesquisa, órgãos de inteligência, intelectuais e políticos.
2.4. Governos militares e ditaduras periféricas como parte da Geopolítica mundial.
2.5. Guerrilha e teoria foquista: conflitos que desafiam as grandes potências.
2.6. A ditadura brasileira (1964-1985) no quadro político internacional.
2.7. Crise do socialismo real e fim da Guerra Fria.
3. Geopolítica do mundo contemporâneo
3.1. Teorias sobre o mundo contemporâneo: multipolaridade, unipolaridade, Império e Choque de Civilizações.
3.2. O mundo após a Guerra Fria: desestruturação e fragmentação do bloco socialista.
3.3. A nova doutrina geopolítica dos EUA: terrorismo e intolerância. O poder norte-americano: supremacia militar e presença mundial.
3.4. A nova qualidade dos conflitos militares: guerrilhas, atentados, mercenários, narcotráfico e máfia mundializada.
3.5. Os novos focos de disputa territorial: combustíveis, recursos hídricos, biodiversidade.
3.6. Geopolítica latino-americana recente: Colômbia, Venezuela, Bolívia e Honduras.
3.6. O Brasil no contexto geopolítico mundial.
Bibliografia Básica: Forbes, D. K. Uma visão crítica da geografia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.
Haesbaert, Rogério. (org.) Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. Niterói: EdUFF, 1998.
Kennedy, Paul. Ascensão e Queda das Grandes Potências. Rio de Janeiro: Campus, 1991.
Lacoste, Yves. A Geografia ? isso serve, em primeiro lugar para fazer a guerra. São Paulo: Papirus, 1985.
Raffestin, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.Bibliografia Complementar: –


Código: IA-521
Nome: Geopolítica
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-514
Nome: Geoprocessamento e Análise Ambiental
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Capacitar e reciclar conhecimentos ao uso de técnicas de Geoprocessamento em aplicações na análise ambiental. Utilização de SIGs a fim de obter o ganho de conhecimento sobre as relações entre fenômenos ambientais, estimando áreas de riscos, potenciais ambientais e definindo zoneamentos. As atividades oferecem ao aluno o aprendizado de um Sistema de Informação Geográfica, suas aplicações, análises e sua modelagem. O curso se divide entre aulas teóricas e práticas onde os alunos aplicarão os conhecimentos teóricos absorvidos em forma de exercícios práticos.
Objetivos: Metodologia e técnicas convencionais e não convencionais associadas. Diagnósticos e prognósticos ambientais. Planejamento ambiental por Geoprocessamento. Criação de bases de dados e análise temática. Árvore de decisão. Avaliação de questões ambientais pela técnica d apoio à decisão. Análise ambiental dos mapas classificatórios.
Programa: 1. Entrada de dados
1.1. Uso de rastreadores óticos (scanners)
1.2. Conversões de arquivos
1.3. Resolução espacial e precisão cartográfica
2. Armazenamento de dados
2.1. Formatos correntes de arquivos digitais (tiff, geotif, jpg, bmp, shp e outros)
2.2. Transferência de dados: conversores
2.3. Padronização de dados cartográficos: metabases e metadados
3. Estruturas lógicas de análise e integração
3.1. Lógica booleana
3.2. Perspectiva bayesiana
3.3. Avaliação por critérios múltiplos
3.4. Lógica nebulosa
3.5. Redes neurais
4. Apoio à decisão: sistemas de planejamento e gestão
5. Procedimentos de diagnose ambiental
5.1. Planimetrias e probabilidades de ocorrência
5.2. Monitoramentos e propagações orientadas
5.3. Avaliações de potenciais e de riscos
5.4. Árvores de decisão: seleções e adições taxonômicas e territoriais
5.5. Estimativas de impacto ambiental
6. Procedimentos prognósticos
6.1. Cenários prospectivos e simulações. Análises custo x benefício
6.2. Polarização territorial: Áreas de influência e interações espaciaisBibliografia Básica: BONHAM-CARTER, G.F. Geographic Information Systems for Geoscientists: modeling with GIS. ed. Pergamon, Ottawa, 1998. 398 p.
BURROUGH, P.A. ? Principles of Geographical Information Systems for Land Resources Assessment ? Oxford Press ? N. York ? 1992 ? 194p.
MOURA, ANA CLARA MOURÃO ? Geoprocessamento na Gestão e Planejamento Urbano ? Belo Horizonte ? Ed. da autora ? 2003 ? 294 p.
XAVIER-DA-SILVA, J. – Geoprocessamento para análise ambiental – Ed. do autor – Rio de Janeiro ? 2a ed. disponível p/download: www.lageop.ufrj.br – 2001 – 228 p.
XAVIER-DA-SILVA, J. (Org.) ; ZAIDAN, R. T. (Org.) . Geoprocessamento e Análise Ambiental – Aplicações. 1a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. v. 01. 368 p.Bibliografia Complementar: ANTENUCCI, J. C. et al. Geographic Information Systems – a guide to the technology. New York: Van Nostrand Reinhold, 1992.
INPE. Apostila de Geoprocessamento, Projeto SPRING, 1998.
LOCH, Ruth E. Nogueira Cartografia. Representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Editora da UFSC, 2006.
MONMONIER, M. Mapping It Out – Expository Cartography for the Humanities.


Código: IA-293
Nome: Geoprocessamento e Sistemas de Informação Geográficos
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Apresentar os conceitos fundamentais da disciplina de Geoprocessamento e os aspectos práticos do uso de Sistemas de Informação Geográfica através de exemplos no sistema SAGA. Sempre que possíveis e oportunos alguns exemplos poderão ser mostrados em outros sistemas. O curso se divide entre aulas teóricas e práticas onde os alunos aplicarão os conhecimentos teóricos absorvidos em forma de exercícios práticos.
Objetivos: Fundamentos técnicos-científicos. Modelos de apresentação e integração de dados ambientais. Natureza e territorialidades dos dados ambientais. Sistemas Geográficos de Informação e análise ambiental. Arquitetura básica de um SGI. Fundamentos lógicos da pesquisa ambiental por Geoprocessamento. Entidades e eventos ambientais. Os dados ambientais e suas escalas de medição. A matriz geográfica. Transformações preparatórias dos dados. Estruturas de análise e integração. Diagnósticos ambientais. Prospecções, prognoses, cenários possíveis e análises custo benefício. Potenciais de interação. Determinação de áreas de influência. Análise de trajetórias e acessibilidades.
Programa: 1. Histórico dos Sistemas de Informações Geográficos no Mundo e no Brasil 1.1. História no Mundo 1.2. História no Brasil2. Conceitos de Geodésia 2.1. Conceito de Geodésia 2.2. A Forma da Terra 2.3. Superfícies de Referência 2.4. Sistema Geodésico de Referência 2.5. Marcos Geodésicos3. Entrada, Representação e Conversão de Dados 3.1. Introdução 3.2. Representação dos Dados 3.3. Entrada de Dados 3.4. Conversão dos Dados 3.5. Conclusões4. Representação de Dados Espaciais – Raster x Vetor x TIN5. Operações Booleanas e Álgebra de Mapas6. GPS7. Integração de Mapas Temáticos e Dados Censitários8. Geoprocessamento para Análise Ambiental com SAGA9. Aplicabilidades de SIG10. AVL – Automatic Vehicle Location
Bibliografia Básica: BONHAM-CARTER, G.F. Geographic Information Systems for Geoscientists: modeling with GIS. ed. Pergamon, Ottawa, 1998. 398 p.MIRANDA, J.I. Fundamentos de Sistemas de Informações Geográficas. Embrapa Informática e Agropecuária, Brasília-DF. 2005.ROCHA, Cezar H. B. GPS de Navegação para mapeadores, trilheiros e navegadores. Ed. do Autor, 2003.SILVA, Ardemírio de Barros. Sistemas de Informações Geo-referenciadas. Conceitos e fundamentos. Editora da Unicamp, 1999.XAVIER-DA-SILVA, J. . Geoprocessamento para análise ambiental. 1a ed. Rio de Janeiro: D5 Produção Gráfica, 2001. v. 1. 228 p;
Bibliografia Complementar: ANTENUCCI, J. C. et al. Geographic Information Systems – a guide to the technology. New York: Van Nostrand Reinhold, 1992.BURROUGH, P. A.; McDONNELL, R. Principles of Geographical Information Systems. Oxford University Press, 1998.DENT, B. D. Cartography, thematic map design. WCB Publishers, 1996.IBGE, Introdução ao Processamento Digital de Imagens – Manuais Técnicos em Geociências, n° 9, Rio de Janeiro, RJ, 2001.INPE. Apostila de Geoprocessamento, Projeto SPRING, 1998.LOCH, Ruth E. Nogueira Cartografia. Representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Editora da UFSC, 2006.MONMONIER, M. Mapping It Out – Expository Cartography for the Humanities.NOVO, Evelyn de Moraes. Sensoriamento Remoto, Princípios e Aplicações , São Paulo, Editora Blucher, 1989, 308 p.PAREDES, E. A. Sistema de Informação Geográfica – Princípios e Aplicações (Geoprocessamento). São Paulo: Ed. Erica, 1994. 690 p.TAYLOR, D.R. Fraser. Cybercartography: Theory and Practice. Elsevier, 2006.XAVIER-DA-SILVA, J. (Org.).;ZAIDAN, R. T. (Org.). Geoprocessamento e Análise Ambiental – Aplicações. 1a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. v. 01. 368 p.


Código: IA-293
Nome: Geoprocessamento e Sistemas de Informação Geográficos
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Apresentar os conceitos fundamentais da disciplina de Geoprocessamento e os aspectos práticos do uso de Sistemas de Informação Geográfica através de exemplos no sistema SAGA. Sempre que possível e oportuno, alguns exemplos poderão ser mostrados em outros sistemas. O curso se divide entre aulas teóricas e práticas onde os alunos aplicarão os conhecimentos teóricos absorvidos em forma de exercícios práticos.
Objetivos: Fundamentos técnicos-científicos. Modelos de apresentação e integração de dados ambientais. Natureza e territorialidades dos dados ambientais. Sistemas Geográficos de Informação e análise ambiental. Arquitetura básica de um SGI. Fundamentos lógicos da pesquisa ambiental por Geoprocessamento. Entidades e eventos ambientais. Os dados ambientais e suas escalas de medição. A matriz geográfica. Transformações preparatórias dos dados. Estruturas de análise e integração. Diagnósticos ambientais. Prospecções, prognoses, cenários possíveis e análises custo benefício. Potenciais de interação. Determinação de áreas de influência. Análise de trajetórias e acessibilidades.
Programa: 1. Histórico dos Sistemas de Informações Geográficos no Mundo e no Brasil
1.1. História no Mundo
1.2. História no Brasil
2. Conceitos de Geodésia
2.1. Conceito de Geodésia
2.2. A Forma da Terra
2.3. Superfícies de Referência
2.4. Sistema Geodésico de Referência
2.5. Marcos Geodésicos
3. Entrada, Representação e Conversão de Dados
3.1. Introdução
3.2. Representação dos Dados
3.3. Entrada de Dados
3.4. Conversão dos Dados
3.5. Conclusões
4. Representação de Dados Espaciais – Raster x Vetor x TIN
5. Operações Booleanas e Álgebra de Mapas
6. GPS
7. Integração de Mapas Temáticos e Dados Censitários
8. Geoprocessamento para Análise Ambiental com SAGA
9. Aplicabilidades de SIG
10. AVL – Automatic Vehicle LocationBibliografia Básica: BONHAM-CARTER, G.F. Geographic Information Systems for Geoscientists: modeling with GIS. ed. Pergamon, Ottawa, 1998. 398 p.
MIRANDA, J.I. Fundamentos de Sistemas de Informações Geográficas. Embrapa Informática e Agropecuária, Brasília-DF. 2005.
ROCHA, Cezar H. B. GPS de Navegação para mapeadores, trilheiros e navegadores. Ed. do Autor, 2003.
SILVA, Ardemírio de Barros. Sistemas de Informações Geo-referenciadas. Conceitos e fundamentos. Editora da Unicamp, 1999.
XAVIER-DA-SILVA, J. . Geoprocessamento para análise ambiental. 1a ed. Rio de Janeiro: D5 Produção Gráfica, 2001. v. 1. 228 p;Bibliografia Complementar: ANTENUCCI, J. C. et al. Geographic Information Systems – a guide to the technology. New York: Van Nostrand Reinhold, 1992.
BURROUGH, P. A.; McDONNELL, R. Principles of Geographical Information Systems. Oxford University Press, 1998.
DENT, B. D. Cartography, thematic map design. WCB Publishers, 1996.
IBGE, Introdução ao Processamento Digital de Imagens – Manuais Técnicos em Geociências, n° 9, Rio de Janeiro, RJ, 2001.
INPE. Apostila de Geoprocessamento, Projeto SPRING, 1998.
LOCH, Ruth E. Nogueira Cartografia. Representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Editora da UFSC, 2006.
MONMONIER, M. Mapping It Out – Expository Cartography for the Humanities.
NOVO, Evelyn de Moraes. Sensoriamento Remoto, Princípios e Aplicações , São Paulo, Editora Blucher, 1989, 308 p.
PAREDES, E. A. Sistema de Informação Geográfica – Princípios e Aplicações (Geoprocessamento). São Paulo: Ed. Erica, 1994. 690 p.
TAYLOR, D.R. Fraser. Cybercartography: Theory and Practice. Elsevier, 2006.
XAVIER-DA-SILVA, J. (Org.).;ZAIDAN, R. T. (Org.). Geoprocessamento e Análise Ambiental – Aplicações. 1a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. v. 01. 368 p.


Código: IH-923
Nome: História do Pensamento Geográfico
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: identificar as principais escolas e correntes do pensamento geográfico, enfatizando as referências teóricas que contribuíram para a institucionalização, sistematização e desenvolvimento da Geografia como ciência, assim como a posterior elaboração de sua crítica e renovação.
Objetivos: Fatos que marcaram a evolução do pensamento geográfico. Geografia no mundo antigo e na era da exploração. A institucionalização da Geografia e seus pensadores. O pensamento geográfico clássico. As rupturas teóricas – metodológicas recentes e seus impactos. A era contemporânea.
Programa: 1. Introdução1.1. O objeto da geografia – problemas de definição e as várias concepções da Geografia2. As origens da Geografia2.1. Origens pré-modernas da Geografia: os geógrafos antes da Geografia2.2. O nascimento da ciência moderna e o pensamento geográfico2.3. A sistematização do pensamento geográfico: Alexander von Humboldt e Karl Ritter2.4. Geografia e imperialismo3. Consolidação da Geografia3.1. A antropogeografia de Ratzel3.2. Vidal de La Blache – a Geografia Humana toma forma3.3. Duas concepções libertárias esquecidas: Élisée Reclus e Piotr Kropotkin3.4. Carl Sauer e o estudo da paisagem3.5. Richard Hartshorne e a natureza da Geografia3.6. A institucionalização da Geografia no Brasil4. A renovação da geografia4.1. A Geografia Pragmática4.2. A Geografia Ativa4.3. A Geografia Crítica4.4. A Geografia Crítica no Brasil4.5. Novos rumos da Geografia: Geografia Humanística, Geografia da Percepção, Geografia Cultural etc.
Bibliografia Básica: Andrade, Manuel Correa. Geografia, ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Ática, 1987.Gomes, Paulo César da Costa. Geografia e modernidade. 5 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.Lacoste, Yves. A geografia serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. São Paulo: Papirus, 1988.Mendonza, Josefina Gómez et. alli. El pensamiento geográfico. Estudio interpretativo y antologia de textos (de Humboldt a las tendencias radicales). Madrid: Alianza, 1982. Moraes, Antonio Carlos Robert. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Hucitec,1984.
Bibliografia Complementar: –


Código: IH-923
Nome: História do Pensamento Geográfico
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: identificar as principais escolas e correntes do pensamento geográfico, enfatizando as referências teóricas que contribuíram para a institucionalização, sistematização e desenvolvimento da Geografia como ciência, assim como a posterior elaboração de sua crítica e renovação.
Objetivos: Fatos que marcaram a evolução do pensamento geográfico. Geografia no mundo antigo e na era da exploração. A institucionalização da Geografia e seus pensadores. O pensamento geográfico clássico. As rupturas teóricas ? metodológicas recentes e seus impactos. A era contemporânea.
Programa: 1. Introdução
1.1. O objeto da geografia ? problemas de definição e as várias concepções da Geografia
2. As origens da Geografia
2.1. Origens pré-modernas da Geografia: os geógrafos antes da Geografia
2.2. O nascimento da ciência moderna e o pensamento geográfico
2.3. A sistematização do pensamento geográfico: Alexander von Humboldt e Karl Ritter
2.4. Geografia e imperialismo
3. Consolidação da Geografia
3.1. A antropogeografia de Ratzel
3.2. Vidal de La Blache – a Geografia Humana toma forma
3.3. Duas concepções libertárias esquecidas: Élisée Reclus e Piotr Kropotkin
3.4. Carl Sauer e o estudo da paisagem
3.5. Richard Hartshorne e a natureza da Geografia
3.6. A institucionalização da Geografia no Brasil
4. A renovação da geografia
4.1. A Geografia Pragmática
4.2. A Geografia Ativa
4.3. A Geografia Crítica
4.4. A Geografia Crítica no Brasil
4.5. Novos rumos da Geografia: Geografia Humanística, Geografia da Percepção, Geografia Cultural etc.Bibliografia Básica: Andrade, Manuel Correa. Geografia, ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Ática, 1987.
Gomes, Paulo César da Costa. Geografia e modernidade. 5 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
Lacoste, Yves. A geografia serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. São Paulo: Papirus, 1988.
Mendonza, Josefina Gómez et. alli. El pensamiento geográfico. Estudio interpretativo y antologia de textos (de Humboldt a las tendencias radicales). Madrid: Alianza, 1982.
Moraes, Antonio Carlos Robert. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Hucitec,1984.Bibliografia Complementar: –


Código: IH462
Nome: História Econômica
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-289
Nome: Introdução à Geociências
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Apresentar ao aluno iniciante a posição científica da Geografia nas geociências, através de sua identidade autônoma e integradora, tendo como singularidade a distribuição e o comportamento espacial das entidades abióticas ,bióticas e antrópicas.
Objetivos: As ciências da terra e da natureza: conceitos, princípios e tipos. A ciência geográfica e suas interfaces. A identidade e atributos geográficos. Conhecimentos de temas relevantes e estratégicos. .A Geografia como ciência do espaço: paisagem e planejamento/ ordenamento territorial/ambiental. Metodologia e técnicas associadas. O Géografo e o Professor de Geografia no mercado de trabalho.
Programa: 1- Geografia no espectro das ciências -as interfaces 1.1- Os grandes eixos temáticos acadêmicos 1.2- Temas relevantes aplicados à ciência geográfica: 1.2.1- Temas básicos contribuintes, tradicionais, atuais e temas aplicados ao mercado de trabalho. 2- Conceitos, teorias e princípios para o Geógrafo e Professor de Geografia 3- A identidade e atributos geográficos 3.1- Localização – expressão territorial #150; relação espacial 3.2- Visão holística 3.3- Estudo da paisagem: natureza e sociedade 3.4- As questões geográficas: regional, ambiental, dicotomia 4-A Geografia como ciência do espaço: paisagem e planejamento/ ordenamento territorial/ambiental 4.1- Objeto e metas 4.2- Identidade x redundâncias disciplinares 4.3- Uma retrospectiva filosófica e científica 4.4- Os propósitos das Geografias em função da dicotomia 5- A Geografia como ciência do espaço: paisagem e planejamento/ ordenamento territorial/ambiental 5.1- Objeto e metas 5.2- Aplicações e questões ambientais 5.3- O desenvolvimento sustentável 6- Projetos de pesquisa científica e pedagógica 6.1- Os atributos e tipos de pesquisa 6.2- Metodologias tradicionais e de ponta 6.3- A função científica do Geógrafo 6.4- A função pedagógica do Professor de Geografia 7- Metodologia 7.1- de aquisição de dados e informações: campo, interpretações cartográficas e de sensoriamento remoto, estatística, geofísica, banco de dados existentes, tabelas prontas de cotejos, questionários, tabulações convencionais, etc. 7.2 – de mapeamento: convencional e eletrônico 7.3- de processamento de dados: metodologia de SGIs 7.4- de análise de dados: mapas digitais e relatórios, gráficos e tabelas 7.5- de aplicações: ensino, pesquisa e extensão 8- Técnicas convencionais e de ponta 8.1- as atividades de campo 8.2- de mapeamentos e interpretação de mapas 8.3- de elaboração de tabelas e gráficos 8.4- a interpretações de imagens orbitais 8.5- uso de Sistemas Geográficos de Informação e a análise ambiental por geoprocessamento 8.6- do uso da rede online- pesquisa, adaptação e montagem 8.7- de interação convencional e online
Bibliografia Básica: CAPEL, H. Filosofia y Ciência en la Geografía Contemporânea. Barcelona:Barcanova, 1981.GOMES, P.C.C. Geografia e Modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. 366p.CORRÊA, R.L; CASTRO, I.; GOMES, P.C.C. Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. 263p. CHRÉTIEN, C. A Ciência em Ação. São Paulo: Papirus, 1991. 268p.SILVA, J.X.;ZAIDAN, R.T. Geoprocessamento e Análise Ambiental. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 2004.368p.
Bibliografia Complementar: BROEK, J.O. Iniciação ao Estudo da Geografia. Rio de Janeiro:Zahar, 1972.CHRISTOFOLETTI, A. Perspectivas da Geografia. Rio de Janeiro:Difel, 1985.GIL, A.C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo:Atlas, 1999.GREGORY, K. J. A Natureza da Geografia Física. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 1992.WOOLDRIDGE, S.W.; East, W.G. Espírito e Propósitos da Geografia. Rio de Janeiro:Zahar, 1967.


Código: IH413
Nome: Introdução à Sociologia
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IH-902
Nome: Libras
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-527
Nome: Licenciamento Ambiental
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IC251
Nome: Matemática I
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Introduzir os conceitos básicos de Cálculo Diferencial de forma sistemática evitando o rigor teórico, dando maior ênfase às aplicações nas diversas ciências.
Objetivos: Funções e gráficos. Diferenciação. Antidiferenciação.
Programa: I. Funções e gráficos
1. Funções.
2. Gráficos.
3. Funções lineares.
4. Funções algébricas.
5. Modelos funcionais.
II. Diferenciação
1. Derivadas.
2. Técnicas de derivação.
3. Taxas de variação e análise marginal.
4. Regra da cadeia.
5. Máximos e mínimos.
6. Otimização.
7. Derivada segunda.
8. Diferenciação implícita.
9. Aproximação por meio de diferenciais.
10. Funções exponenciais e logarítmicas. A derivação.
III. Antidiferenciação
1. Antiderivadas.
2. Integração por substituição.
3. Integração por partes.
Bibliografia Básica: HOFFMANN, LAURENCE D. Cálculo: Um Curso Moderno e suas Aplicações. Rio de janeiro: Livros Técnicos e Científicos.
Bibliografia Complementar: –


Código: AB-326
Nome: Monografia em Ensino de Geografia
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AB-326
Nome: Monografia em ensino de Geografia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-326
Nome: Monografia Em Geografia
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-327
Nome: Núcleo de Ensino e Pesquisa geográfica I
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-328
Nome: Núcleo de Ensino e Pesquisa geográfica II
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-329
Nome: Núcleo de Ensino e Pesquisa geográfica III
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: AA-321
Nome: Núcleo de Ensino e Pesquisa geográfica IV
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-325
Nome: Pedologia Aplicada a Geografia
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: 1. Estudar o solo como corpo tridimensional natural com seus vários níveis de organização. 2. Compreender o solo como recurso natural. 3. Propiciar a aquisição de diferentes formas de observação e estudo dos solos. Enfatizar a leitura e a interpretação de dados pedológicos. 5 -Mostrar as relações do solo com os demais elementos da paisagem nas regiões tropicais com ênfase para o Brasil.
Objetivos: Conceito e divisão. Morfologia dos solos. Fatores e processos de formação dos solos.Classificação dos solos. Solos Brasileiros. Classificação e aproveitamento. Mapas pedológicos Solo como entidade integrada na paisagem. Perfis do solo: morfologia, gênese e evolução. Solos: descrição, análise e classificação. O manejo dos solos e os desequilíbrios ambientais (erosão, irrigação, drenagem, desmatamentos, adensamento e poluição. Manejo dos solos tropicais rurais e urbanos. Classificação ecológica dos solos complementar.O solo: seu estudo e sua utilidade. Morfologia: características dos perfis. Gênese dos solos. Processos de formação dos solos. Classificação e nomenclatura dos solos. O levantamento dois solos. Trabalhos de campo, laboratório e interpretação dos resultados.Classificação dos solos. Sistema brasileiro de classificação de solos, principais características e distribuição geográfica. Manejo e conservação dos solos nas regiões de climas tropical e subtropical. Técnicas de reconhecimento e mapeamento pedológico.
Programa: 1. As Várias Abordagens Conceituais de Solos e Pedologia
2. Os Constituintes dos Solos: sólidos (minerais e orgânicos), líquidos e gasosos
3. Fundamentos de Gênese dos Solos: fatores de formação e seus agentes
4. Morfologia dos Solos: a macro e a micro-morfologia
5. Distribuição dos Solos em Diferentes Escalas: da zonalidade dos processos
pedogeoquímicos aos mecanismos particularizados das vertentes
6. Procedimentos para o Estudo e Pesquisa dos Solos em Diferentes Escalas de Abordagem
7. Problemas Gerais da Classificação dos Solos
8. Aplicações Científicas e Utilitárias do Estudo dos Solos
Solos tropicais:
1. Zonalidade dos solos: especificidade das regiões tropicais.
2. Processos de alteração, de formação dos constituintes mineralógicos e seu
comportamento nas regiões tropicais.
3. O papel da matéria orgânica e da atividade biológica.
4. Consequências da dinâmica da água.
5. Organização da cobertura pedológica nas regiões tropicais.
6. Os solos do Brasil.
7. Levantamento e cartografia dos solos tropicais.
8. Avaliação geral das conseqüências da utilização dos solos tropicais.Bibliografia Básica: ALVARENGA,M.I.M. SOUZA, J.A Atributos do Solo e oIImpacto Ambiental.Lavras:FAEPE\UFLA, 1995.
BRADY,N.C. Natureza e Propriedades do solo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1993.
CURI,N.(Coord). Vocabulário de Ciëncia do solos. Campinas::Sociedade Brasileira de Ciëncia do solo, 1993.
LEMOS,R.C. SANTOS,R.D. Manual de descricão e coleta de solo no campo.Campinas: Sociedade Brasileira de Ciëncia do Solo, 1982.
MONIZ,A C.(coord). Elementos de Pedologia. Rio de Janeiro:LivrosTécnicos e Científicos, 1975..Bibliografia Complementar: OLIVEIRA,J.B. , JACOMINE,P.T.K. CAMARGO,M.N. Classes Gerais de Solos do Brasil. Jaboticabal : FUNEP, 1992.
RESENDE,M.(Coord). Pedologia: Base para distincão de ambientes.Vicosa:NEPUT, 1996.
RESENDE,M. , CURI,N. SANTANA,D.P. Pedologia e fertilidade do solo. Piracicaba:POTAFOS, 1998.
SOIL SURVEY STAFF. Soil Survey. Manual. Agriculture Handbook.número 18.Washington: USDA, 1951.
VIEIRA,L.S. Manual de çiëncia do solo.São Paulo:CERES, 1975.


Código: IA-525
Nome: Planejamento de Ambientes Rurais e Urbanos
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Apresentar métodos, modelos e técnicas dirigidas ao planejamento ambiental de áreas urbana e rural, de caráter sustentável.
Objetivos: Elementos conceituais, metodológicos e técnicos. Importância do planejamento urbano e rural e o papel do geógrafo. Natureza do planejamento ambiental e territorial. Desenvolvimento sustentável e sustentabilidade rural. Instrumentos selecionados ao planejamento e gestão urbano e rural. Elaboração de planos, programas e projetos. Diagnóstico e prognóstico ambientais.
Programa: 1- Bases conceituais
1.1- Definições e aplicações ambientais
1.2- A função do Geógrafo no contexto político-administrativo
1.3- Entidades e geodinâmica dos ambientes urbano e rural
2- Base metodológica
2.1- Organograma operacional
2.2- Métodos e técnicas associadas
2.3- Planos, programas e projetos3- Instrumentos selecionados ao planejamento
3.1-Tipos e aplicações
3.2- Legislação e licenciamento ambiental
3.3- Instrumentos selecionados4- Planejamento de ambiente urbano
4.1- Entidades e geodinâmica do ambiente urbano
4.2- Diagnóstico ambiental
4.3- Plano diretor
5- Planejamento de ambiente rural
5.1- Entidades e geodinâmica do ambiente rural
5.2- Diagnóstico ambiental
5.3- Instrumentos selecionados
6- Elaboração de planos, programas e projetos
6.1- Elementos fundamentais
6.2- Elaboração das ações

Bibliografia Básica: GUERRA, Antonio José Teixeira , CUNHA, Sandra Baptista da (orgs.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1994.
______. Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1996.
______. Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1996.
______. Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1998.
IPPUR. Planejamento e território: ensaios sobre a desigualdade. Cadernos do IPPUR ? Ano 1, n. 1 (jan./abr, 1986). Rio de Janeiro: UFRJ/IPPUR, 1986.

Bibliografia Complementar: KON, A.(org). Planejamento no Brasil II. SP:Perspectiva, 1999.
LAGES, Vinícius, BRAGA, Christiano, MORELLI, Gustavo (orgs.) Territórios em movimento: cultura e identidade como estratégia de inserção competitiva. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004
ROSS, Jurandyr L Sanches. O relevo brasileiro, as superfícies de aplanamento e os níveis morfológicos. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, FFLCH/USP, n. 5, 1991.
ROSSI, Paolo. Os sinais do tempo: história da Terra e história das nações de Hooke a Vico. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.
_______. Geomorfologia, ambiente e planejamento. São Paulo, Contexto, 1990. A Terra. São Paulo, Ática, 1996. (Série Atlas Visuais)


Código: IA-525
Nome: Planejamento de Ambientes Rurais e Urbanos
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IE-384
Nome: Política e Organização da Educação
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-591
Nome: Processos Geomorfológicos
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Apresentar a geodinâmica, como um conjunto de processos naturais/antrópicos agindo em conjunto no desenvolvimento das entidades componentes da paisagem geomorfológica, mostrando inclusive, geoindicadores, como produtos da ação de um processo dominante.
Objetivos: Conceitos e tipos de processos naturais: intempérico, pedogenético e morfogenético. A ação dos processos morfogenéticos no desenvolvimento do relevo em relação com a litoestrutura e as condições climáticas. Processos fluviais, marinhos eólicos e glaciais.
Programa: 1-Os geosistemas integrados da Terra: tectônica, clima e geodinâmica
1.1-Os eventos tectônicos e clímato-eustáticos
1.2-A cidade climática e os processos naturais associados
2- A geodinâmica externa
2.1- Os tipos de processos: intempéricos, pedogenéticos, morfogenéticos e antrópicos
2.2- Os elementos naturais e antrópicos influenciadores
2.3– Processos atuantes nas encostas e baixadas
4- Conseqüências da atuação dos processos naturais e antrópicos
4.1- Movimentos de massa e áreas degradadas
4.2- Enchentes e contaminação da água
4.3- Impactos ambientais
5- Apoio ao Planejamento Ambiental
5.1- Mapeamentos das áreas de processos dominantes
5.3- Análise ambiental por geoprocessamento
5.4- Reabilitação e revitalização ambientaisBibliografia Básica: CASSETI, V. Elementos de Geomorfologia. Goiânia: Ed. UFG, 1994. 137 p.
CUNHA, S.B. e GUERRA, A.J.T. Geomorfologia. Exercícios, Técnicas e Aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 1996. 345p.
CUNHA, S.B. e GUERRA, A.J.T. (Orgs.) Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 1998. 388 p.
GUERRA, A.J.T. e CUNHA, S.B. (Orgs.) Geomorfologia. Uma Atualização de Bases e Conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 1994. (2a ed), 458 p.
GUERRA, A.J.T. e CUNHA, S.B. (Orgs.) Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 1995. 379pBibliografia Complementar: CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. SP: Ed.Blücher, 1980.
TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R. e TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000. 568 p.
SELBY, M.J. Earth?s Surface Changes. Oxford: Clarendon Press, 1985. 607p.
SUMMERFIELD, M.A. Global Geomorphology. New York: Longman, 1991. 537 p.
MEDEIROS,R,A;ACHALLER,H;FRIEDMAN,G,M. Fácies Sedimentares.Rio de Janeiro:Petrobrás 1971.123p.


Código: IE211
Nome: PSIC. dA Educação: Aspectos Cognitivos Comportamentais
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IE210
Nome: Psicologia da Educação Aspectos Afetivos
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IC310
Nome: Química Geral
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Dar conhecimentos básicos de Teoria Atômica; Tabela periódica, reações químicas, soluções, eletroquímica, com os quais, ao final do curso, o aluno terá embasamento para reconhecer a importância da química e aplicar esses conhecimentos nas disciplinas que se seguem.
Objetivos: Teoria Atômica. Tabela periódica e Ligação química. Funções Inorgânicas. Estequiometria. Estado gasoso. Eletroquímica. Soluções. Cinética Química. Equilíbrio Químico. Equilíbrio Iônico. Ácidos e Bases em solução Aquosa.
Programa: 1. Teoria Atômica: Átomo de Bohr; Níveis, Subníveis e números Quânticos; Preenchimento de Orbitais.
2. Tabela Periódica e Ligação Química: Apresentação da Tabela; Potencial de Ionização; Afinidade Eletrônica; Eletronegatividade; Ligação Iônica, Covalente, Metálica; Polaridade da Ligação; Representação, Orbital de Ligação; Hibridização; Propriedades e Posição na tabela; Fórmulas.
3. Funções Inorgânicas: Óxidos, ácidos, bases, peróxidos, sais, hidretos; Reações de obtenção de cada função; Reações características de cada função; Balanceamento de reações por tentativa.
4. Estequiometria: Relações de massa e moles; Fórmula mínima; Princípio de equivalência; Cálculos com milimoles e miliequivalentes.
5. Estado Gasoso: Teoria cinética; Lei dos gases; Equação de estado; Estequiometria com relação a volume pressão e temperatura.
6. Eletroquímica: Carga, número de oxidação e valência; Equação iônica; Balanceamento de equações; Método de íon-electron; Potencial em eletrodo; espontaneidade das reações.
7. Soluções: Solubilidade; unidades de concentração; Estequiometria de soluções; Propriedades coligativas.
8. Cinética Química: Velocidade de reações e mecanismo; Lei da velocidade; Energia de ativação; Fatores que influenciam na velocidade.
9. Equilíbrio Químico: Equilíbrio homogêneo e heterogêneo; Estudo qualitativo; Expressão de constantes de equilíbrio; Lei da ação das massas; Deslocamento do ponto de equilíbrio; Cálculos de equilíbrio; Relação Kc e Kp.
10. Equilíbrio Iônico: Equilíbrio de solubilidade; Cálculo de solubilidade a partir de constantes de equilíbrio; cálculo de concentração de íons para produzir precipitação.
11. Ácidos e Bases em Solução Aquosa: Conceito de bronsted; Ionização de água; pH; Tampões e hidrólise.
Bibliografia Básica: SLABAUGH, WENDEL H., PARSONS THOMAS D. Química Geral. 2a ed. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científicos S.A., 1982.
BRADY, J. E., HUMISTON, G. E. Química Geral. 2a ed. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científicos S.A., 1992.
RUSSEL, J. B. Química Geral. Makron Books do Brasil Editora ltda. 2a ed. 1994.
SPRATLEY, R.D., PIMENTEL, G.C. Química: um tratamento moderno. São Paulo: Edgard Blucher, 1974.
GUAGLIANO, J.V. VALLARINO L.M. Química. Editora Guanabara Dolo S.A. 3A ed. 1979.
MAHAN,B.H. Química: um Curso Universitário. São Paulo: Editora Edgard Blucher Ltda, 1970.
COSTA, A.P., ALBUQUERQUE, P.C.W. Química Geral: um Curso Universitário de Nivelamento. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científicos S.A, 1976.
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-524
Nome: Recursos Hídricos
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Apresentar aos discentes os conceitos relacionados a gestão e ao gerenciamento dos recursos hídricos, contribuindo desta forma para a conscientização, reflexão e debates necessários a preservação e a recuperação dos corpos hídricos no Brasil.
Objetivos: Introdução à Gestão dos Recursos Hídricos; O Ciclo Hidrológico as Intervenções Antrópicas; Marco Conceitual; Modelos de Gestão- Experiências Internacionais; Água e o Desenvolvimento Sustentável; Mudanças Climáticas Globais e seus impactos nos Recursos Hídricos; O Arcabouço Legal Institucional Vigente; Política Nacional de Recursos Hídricos; O Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos; O Gerenciamento Estadual de Recursos Hídricos; Os Instrumentos de Gestão dos Recursos Hídricos.
Programa: 1- Introdução a Gestão dos Recursos Hídricos
1.1- A questão da água
1.2- O Ciclo Hidrológico, Distribuição das Águas Doces
1.3- Disponibilidade da água; Problemas da água no mundo e no Brasil
1.4- Marco conceitual; água ou recurso hídrico?
1.5- Elementos da Gestão Racional dos Recursos Hídricos
1.6- Experiência de Gestão em Outros Países2. Água e o Desenvolvimento Sustentável
2.1- Variações na quantidade e qualidade dos recursos hídricos, eventos críticos
2.2- A água como fator para o desenvolvimento sustentável
2.3- Gestão da oferta e da demanda3. Mudanças Climáticas Globais e seus Impactos nos Recursos Hídricos
3.1- O clima presente e as tendências climáticas regionais
3.2- Os cenários climáticos do IPCC;
3.3- Cenários climáticos do futuro no Brasil e na América do Sul

4.Usos da Água
3.1- Usos consuntivos e não consuntivos
3.2- Categorias de Uso: saneamento, agricultura, pecuária, hidroeletricidade, industrias, outros usos
5.Quantificação dos Recursos Hídricos
5.1- Balanço Hídrico, estudos das vazões; regionalização hidrológica
5.2- Recursos Hídricos Subterrâneos
5.3- Eventos críticos
5.4 Estresse Hídrico
6.Introdução á Qualidade da Água
6.1 Conceitos para a avaliação da qualidade da água
6.2 Avaliação da qualidade da água
6.3 Índices de qualidade de água
6.4 Instrumentos legais pertinentes a qualidade da água
7.Política Nacional dos Recursos Hídricos
7.1 Fundamentos da gestão de águas no Brasil
7.2 Lei No 9.433: fundamentos, objetivos; diretrizes gerais de ação
7.3 Instrumentos de Gestão
7.4 Planos Diretores de Recursos Hídricos
7.5 Plano Nacional de Recursos Hídricos

Bibliografia Básica: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução ao Gerenciamento de Recursos Hídricos.2°ed- Brasília: (ANEEL), Superintendência de Estudos e Informações Hidrológicas. 2000.207p.
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Curso de Gestão de Recursos Hídricos ? Notas de Aula. Brasília: CTHidro- CNPQ, 2004.
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil. Brasília:CTHidro-CNPQ, 2009,202p.
PAIVA,J.B., DE PAIVA, E. M.C.Hidrologia Aplicada à Gestão de Pequenas Bacias Hidrográficas. Brasília: FINEP- Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH), 2001.627p.
SILVA, D.D. e PRUSKI, F.F. (ED). Gestão dos Recursos Hídricos: Aspectos Legais, Econômicos, Administrativos e Sociais. Viçosa:Ministério do Meio Ambiente ? Universidade de Viçosa ? Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 2000.659p.

Bibliografia Complementar: COIMBRA, R., ROCHA, C.L., BEEKMAN, G.B. Recursos hídricos: conceitos, desafios e capacitação. Brasília: ANEEL, 1999. 78p.
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Conjunto de Normas Legais:Recursos Hídricos. 6°ed.Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano /MMA, 2008.466p.
REBOUÇAS, A. BRAGA, B. TUNDISI, J.G. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação/ organizadores. – 3°ed ? São Paulo: Escrituras Editora, 2006.
REBOUÇAS, A. Uso inteligente da água, São Paulo: Escrituras Editora, 2004.207p.
SETTI, A.A. A necessidade do uso sustentável dos recursos hídricos. Brasília: IBAMA, 1996. 344p.


Código: AA-013
Nome: Seminário de Educação e Sociedade
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-266
Nome: Sensoriamento Remoto
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Conceito. Princípios físicos do sensoriamento remoto e o espectro eletromagnético. Características espectrais dos materiais. Introdução à interpretação de imagens orbitais. Os sistemas sensores orbitais. Caracterização das imagens multiespectrais e imagens de radar. Interpretação visual de imagens. Noções de processamento digital de imagem.
Objetivos: Definição. Natureza e função da radiação eletromagnética. Interação energia, alvo, atmosfera e sensor. Espectro eletromagnético. Janela atmosférica. Assinatura espectral. Classificação dos sensores remotos – Fotografias aéreas. Imageadores eletro-ópticos – Radares de Visada Lateral. Resolução espacial, espectral, temporal e radiométrica. Principais sistemas orbitais. Aplicações. Processamento Digital de Imagens. Resolução espectral e espacial. Registro de imagens. Técnicas de realce. Composição Colorida. Critérios de interpretação. Classificação de imagens.
Programa: 1. Histórico do uso de Sensoriamento Remoto no Brasil
2. As bases físicas do Sensoriamento Remoto
3. Principais tipos de sensores: vantagens e limitações
4. Geração e interpretação de imagens teledetectadas
4.1. Levantamentos radargramétricos: o Projeto Radambrasil
4.2. As séries Landsat e SPOT
4.3. A série CBERS
4.4. Sistemas Ikonos e Quickbird
5. Integração de imagens e bases cartográficas
6. Fotocartas
7. Cartas imagens
8. Sistemas Google Earth, NASA Wind e outrosBibliografia Básica: MOREIRA, M. Fundamentos do Sensoriamento Remoto e Metodologias de Aplicações. São José dos Campos: INPE, 1ª ed., 2001.
NOVO, Evlyn de Moraes. Sensoriamento Remoto, Princípios e Aplicações , São Paulo, Editora Blucher, 1989.
CROSTA, A.P.. Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto. Campinas: Unicamp, 1992
FLORENZANO, T. G. Iniciação em Sensoriamento Remoto. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.
JENSEN, J.R. Sensoriamento Remoto do Ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Tradução da Segunda Edição por José Carlos Neves Epiphanio (coord) et al. São José dos Campos: Parêntese, 2009.Bibliografia Complementar: ANDERSON, P. S. Fundamentos para Fotointerpretação. Sociedade brasileira de Cartografia – SBC. Rio de Janeiro, 1992.
COELHO, Arnaldo G. S. Ecologia e Potencial de estudos com base nas modernas técnicas do senssoriamento remoto. Instituto de Geografia USP, 1973.
DALMOLIN, Q. Princípios de Fotointerpretação aplicados aos recursos naturais. 2a Parte – Curitiba, Curso de pós-graduação em Ciências Geodésicas/Departamento de Geociências da UFPr, 1978.
DISPERATI, A. A. Obtenção e uso de fotografias aéreas de pequeno formato. FUPEF/UFPR, Curitiba, PR, 1991.
GARCIA, G.J. Sensoriamento remoto. SP. Nobel, 1992.
LOCH. C.. Noções básicas de interpretação de imagens. SC. Editora UFSC, 1984
GRAÇA, Muratori de A. F@tor Net. Fator Gis, Curitiba, ano 5, 20, p. 11, ago-set-out.
FLORENZANO, T. G. (org.) Geomorfologia ? conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.
ROSA, R.. Introdução ao sensoriamento remoto. Ed. EDUFU. Uberlândia. MG, 1992.
Seminário de Atualização em Sensoriamento Remoto e Sistemas de Informações Geográficas Aplicados à Engenharia Florestal. Curitiba PR. 23 a 25 de Outubro de 2000.


Código: IA-295
Nome: Sociedade e Natureza
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Possibilitar o entendimento das raízes epistemológicas da ciência geográfica. Entender o conceito de espaço. — Entender como a Geografia possibilita a apreensão da realidade através de uma visão multi-escalar Entender a relação sociedade #150; natureza. Entender a temática ambiental na atualidade, os limites da globalização, a apropriação da natureza e o meio ambiente como mercadoria.
Objetivos: As concepções e a apropriação da Natureza nas suas diferentes culturas (oriental e ocidental). As diversas fases históricas da relação sociedade-natureza: as sociedades pré-históricas, agrárias e industriais. Os paradigmas tecnológicos modernos. Vertentes do movimento ambientalista e os modelos de desenvolvimento.
Programa: 1. Evolução do pensamento geográfico e o Objeto da Geografia1.1 Elaboração do objeto da Geografia 1.2 Posicionamento epistemológico.2. Espaço: teorias e método2.1. Elaboração conceitual de espaço2.2. Formação socioespacial 2.3. A Geografia e a visão da realidade #150; Escalas e totalidade2.4. Conceito de produção espacial2.5. Arranjos espaciais (espacialidades)2.6. Espaço, sociedade e economia3. Sociedade moderna e natureza3.1. Relação Geografia física e Geografia humana 3.2. Entender os limites da globalização e a apropriação da natureza3.3. Relação sociedade e natureza3.4. Sociedade moderna e natureza3.5. O meio ambiente como mercadoria
Bibliografia Básica: CASSETI, V. Ambiente e apropriação do relevo. São Paulo: Contexto, 1995.CORRÊA, Roberto Lobato. Espaço. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Geografia: conceitos e teorias. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995MENDONÇA, F. A. Geografia e meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1993__________. Geografia física: ciência humana? São Paulo: Contexto, 1998. Pág. 11 a 26.PORTO-GONÇALVES, C. V Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2000
Bibliografia Complementar: MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo . A Geografia no Brasil (1934-1977). Avaliação e Tendências. São Paulo: USP, 1980. Pág. 35 a 51. MOREIRA, Ruy Pensar e ser em Geografia. São Paulo: Contexto, 2007.___________. Para onde vai o pensamento geográfico. São Paulo: Contexto, 2006. ___________ Geografia: Teoria e crítica. Petrópolis: Vozes, 1983.SANTOS, Milton. Economia espacial. Críticas e alternativas. São Paulo: EDUSP, 2003.__________. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000_______.__ Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1997__________, Espaço e Sociedade: ensaios. Petrópolis: Vozes, 1979._______. O espaço Dividido. Os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Tradução de Myrna T. Rego Viana. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979PORTO-GONÇALVES, C. V. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006MELCHIOR, Lirian… [et all.] A transcendentalidade do objeto da Geografia. MImeo.LEFEBVRE, Henri. Lógica formal, lógica dialética. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1979. (1946) p. 49 a 89ALVES, Rubem. Ciência, coisa boa… in: MARCELINO, Nelson C. (org.) Introdução às Ciências Sociais, Campinas: Papirus, 1988.ANDRADE, M. M. de. Introdução à Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 1995. p. 79-84CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2000.DAMIANI, A.;CARLOS, Ana F.; LIMA, O.S.. O espaço no fim do século: a nova raridade. São Paulo: Contexto, 2001GREGORY, K.J. – A Natureza da Geografia Física. Editora Bertrand Brasil S.A., RJ,85.HARVEY, D. A condição pós-moderna. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. 6ª. Ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996LACOSTE, Y. et ali – A Geografia Ativa, Difusão Européia do Livro, SP, 1958 LITHOLDO, Augusto. A ciência e seus métodos. FFLCH-UNESP. Presidente Prudente, 1978 (fascículo 1) #150; Para que metodologia da ciência? (p. 4 a 13)MARTINS, José de Souza. A sociabilidade do homem simples: cotidiano e a história na modernidade anômala. São Paulo: Hucitec, 2000.MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo . Geossistemas: a história de uma procura. São Paulo: Contexto, 2000. MORAES, A.C.R. – A Gênese da Geografia Moderna. HUCITEC-EDUSP, SP, 1989.MOREIRA, R.. O círculo e a espiral. A crise paradigmática do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Obra Aberta, 1993.QUAINI, M. – A Construção da Geografia Humana. Ed. Paz e Terra, RJ, 1984.______. Marxismo e Geografia. Ed. Paz e Terra, RJ, 1979.RIQUE, Lenyra. Do senso comum à geografia científica. São Paulo: Contexto, 2004ROSS. Jurandyr Luciano Sanches. Ecogeografia do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.ROSS. Jurandyr Luciano Sanches. Análises e Sínteses em Geografia para o Planejamento Ambiental. In: Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, 1995.SANTOS, D. A reinvenção do espaço: diálogos em torno da construção do significado de uma categoria. São Paulo: Unesp, 2002SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: HUCITEC, 1996SANTOS, M. (organizador) – Novos Rumos da Geografia Brasileira. HUCITEC, SP, 1988.SILVA, Armando Correia da . Sujeito e objeto e os problemas da análise. In: Boletim Paulista de Geografia, n. 71 , 1992. SMITH, N. Desenvolvimento desigual. Natureza, capital e a produção de espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1979SOUZA, Maria Adélia (org.) Território Brasileiro: usos e abusos. Campinas: Edições Territorial,2003.SPOSITO, Eliseu Savério. Geografia e filosofia. Contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: editora da UNESP, 2004.TUAN, Yi-fu. Topofilia. Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio. São Paulo: Difel, 1980.VITTE, A. C, GUERRA, A. J. T. Reflexões sobre a Geografia física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004


Código: IE328
Nome: Sociologia da Educação
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-522
Nome: Tabalho de Campo Temático
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-290
Nome: Teoria e Método Científico em Geografia
Créditos (Carga Horária): 4Cr (60H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-540
Nome: Território e História no Brasil
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-539
Nome: Tópicos Especiais em Geografia Humana
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-506
Nome: Trabalho de Campo Aplicado
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Fornecer ao graduando investigações de campo de caráter avançado e aplicado às questões ambientais dirigidas a um planejamento e gestão territorial/ambiental e ao ensino fundamental.
Objetivos: Normas, princípios, instrumentos e ferramentas de atuação em questões ambientais no campo . As fases operacionais da pesquisa aplicadas no campo. Tipos de aquisição de dados e informação. Relação de documentos cartográficos, fotoaéreas e imagens orbitais, para a elaboração do mapeamento preliminar. Relatório final.
Programa: 1- Bases teóricas e conceituais
1.1- Normas e éticas de campo
1.2- Referenciais geográficos de investigação no campo
1.3- Instrumentos e ferramentas de apoio
2- Tipos de campanhas de campo
2.1- Observação e investigação empírica
2.2- Cotejos com mapas, imagens orbitais e chck-list
3– Fases operacionais específicas
2.1- Aquisição de dados: coleta de amostras, fotos, perfis, check-list, filmagens, questionários, estatísticos, geofísicos, etc.
2.2- Interpretação setorial e integrada de mapas topográficos, temáticas, fotos aéreas e imagens orbitais
2.3- Resultados parciais e finais para processamento em laboratórios e mapeamentos
2.3- Etapas de mapeamentos associados a instrumentos e ferramentas
2.4- Uso da tecnologia de geoprocessamento
4- Relatório final
4.1- Esquema de elaboração
4.2- Montagem das fases operacionais
4.3- Aplicações ao mercado de trabalhoBibliografia Básica: OLIVEIRA, J.R. Otrabalho de Campo e o Ensino da Geografia. Dissertação de Mestrado, UFMG/IG/BELO HORIZONTE, 2005.
CRUZ, R.C.A.N. Os Caminhos da Pesquisa de Campo em Geografia. Geousp, n.1, p. 93-98, 1998.
KAYSER, B. O Geógrafo e a Pesquisa de Campo. Seleção de Textos, n.11:25-40, 1985.
VENTURI, L. A. Praticando Geografia. SP:Oficina de Textos, 2005.
SILVA, J.X.;ZAIDAN, R.T. Geoprocessamento e Análise Ambiental. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, 2004.368p.Bibliografia Complementar: CARNEIRO, V.A. Concepções de Trabalho de Campo e Ensino de Geografia nas Licenciaturas do Sudeste Goiano. Dissertação de Mestrado, UFG/IESA/GOIÂNIA, 2009.
COLTRINARI, L. O Trabalho de Campo na Geografia do Século XXI. In: COLÓQUIO O DISCURSO GEOGRÁFICO NA AURORA DO SÉCULO XXI.Anais. Florianópolis:UFSC. CD-ROM. 1996.
CORRÊA, R.L. O Trabalho de Campo e Globalização. In: COLÓQUIO O DISCURSO GEOGRÁFICO NA AURORA DO SÉCULO XXI.Anais. Florianópolis:UFSC. CD-ROM. 1996.
SANTOS, R.J.(1999). Pesquisa Empírica e Trabalho de Campo: algumas questões acerca do conhecimento geográfico. SociedadeNatureza, v.11, n.21/22:111-125.
TOMITA, L.M.(1999). Trabalho de Campo como Instrumento de Ensino em Geografia. Geografia, v.8, n. 1:13-15.


Código: IA-294
Nome: Trabalho de Campo Instrumental
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Compreender o significado do trabalho de campo dentro da Ciência Geográfica; Entender o significado do trabalho de campo nas Correntes Geográficas; Identificar os tipos de trabalho de campo existentes na Ciência Geográfica.
Objetivos: Trabalho de Campo. O Trabalho de Campo nas Correntes Geográficas. Tipos de Trabalho de Campo.
Programa: 1. Trabalho de Campo2. Trabalho de Campo nas Correntes Geográficas3. Tipos de Trabalho de Campo4. Técnicas e Instrumentos à Pesquisa Geográfica
Bibliografia Básica: OLIVEIRA, J.R. Otrabalho de Campo e o Ensino da Geografia. Dissertação de Mestrado, UFMG-IG-BELO HORIZONTE, 2005.CRUZ, R.C.A.N. Os Caminhos da Pesquisa de Campo em Geografia. Geousp, n.1, p. 93-98, 1998.KAYSER, B. O Geógrafo e a Pesquisa de Campo. Seleção de Textos, n.11:25-40, 1985.VENTURI, L. A. Praticando Geografia. SP:Oficina de Textos, 2005.SANTOS, R.J.(1999). Pesquisa Empírica e Trabalho de Campo: algumas questões acerca do conhecimento geográfico. Sociedade e Natureza, v.11, n.21-22:111-125.
Bibliografia Complementar: CARNEIRO, V.A. Concepções de Trabalho de Campo e Ensino de Geografia nas Licenciaturas do Sudeste Goiano. Dissertação de Mestrado, UFG-IESA-GOIÂNIA, 2009. COLTRINARI, L. O Trabalho de Campo na Geografia do Século XXI. In: COLÓQUIO O DISCURSO GEOGRÁFICO NA AURORA DO SÉCULO XXI.Anais. Florianópolis:UFSC. CD-ROM. 1996.CORRÊA, R.L. O Trabalho de Campo e Globalização. In: COLÓQUIO O DISCURSO GEOGRÁFICO NA AURORA DO SÉCULO XXI.Anais. Florianópolis:UFSC. CD-ROM. 1996.FONSECA, F.P. , KUVASNEY, E. ( 2003). Trabalho de Campo Multidisciplinar: indústrias, assentamentos e unidade de preservação(Vassununga) ao longo da Via Anhanguera-SP.Geousp, n.13:1-7.LACOSTE, Y.(1985). A Pesquisa e o Trabalho de Campo: um problema político para os pesquisadores, estudantes e cidadãos. Seleção de Textos, n.11:1-23.TOMITA, L.M.(1999). Trabalho de Campo como Instrumento de Ensino em Geografia. Geografia, v.8, n. 1:13-15.


Código: IA-294
Nome: Trabalho de Campo Instrumental
Créditos (Carga Horária): 1Cr (15H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Compreender o significado do trabalho de campo dentro da Ciência Geográfica; Entender o significado do trabalho de campo nas Correntes Geográficas; Identificar os tipos de trabalho de campo existentes na Ciência Geográfica
Objetivos: Trabalho de Campo. O Trabalho de Campo nas Correntes Geográficas. Tipos de Trabalho de Campo
Programa: 1. Trabalho de Campo
2. Trabalho de Campo nas Correntes Geográficas
3. Tipos de Trabalho de Campo
4. Técnicas e Instrumentos à Pesquisa GeográficaBibliografia Básica: OLIVEIRA, J.R. Otrabalho de Campo e o Ensino da Geografia. Dissertação de Mestrado, UFMG/IG/BELO HORIZONTE, 2005.
CRUZ, R.C.A.N. Os Caminhos da Pesquisa de Campo em Geografia. Geousp, n.1, p. 93-98, 1998.
KAYSER, B. O Geógrafo e a Pesquisa de Campo. Seleção de Textos, n.11:25-40, 1985.
VENTURI, L. A. Praticando Geografia. SP:Oficina de Textos, 2005.
SANTOS, R.J.(1999). Pesquisa Empírica e Trabalho de Campo: algumas questões acerca do conhecimento geográfico. SociedadeNatureza, v.11, n.21/22:111-125.Bibliografia Complementar: CARNEIRO, V.A. Concepções de Trabalho de Campo e Ensino de Geografia nas Licenciaturas do Sudeste Goiano. Dissertação de Mestrado, UFG/IESA/GOIÂNIA, 2009.
COLTRINARI, L. O Trabalho de Campo na Geografia do Século XXI. In: COLÓQUIO O DISCURSO GEOGRÁFICO NA AURORA DO SÉCULO XXI.Anais. Florianópolis:UFSC. CD-ROM. 1996.
CORRÊA, R.L. O Trabalho de Campo e Globalização. In: COLÓQUIO O DISCURSO GEOGRÁFICO NA AURORA DO SÉCULO XXI.Anais. Florianópolis:UFSC. CD-ROM. 1996.
FONSECA, F.P. , KUVASNEY, E. ( 2003). Trabalho de Campo Multidisciplinar: indústrias, assentamentos e unidade de preservação(Vassununga) ao longo da Via Anhanguera-SP.Geousp, n.13:1-7.
LACOSTE, Y.(1985). A Pesquisa e o Trabalho de Campo: um problema político para os pesquisadores, estudantes e cidadãos. Seleção de Textos, n.11:1-23.
TOMITA, L.M.(1999). Trabalho de Campo como Instrumento de Ensino em Geografia. Geografia, v.8, n. 1:13-15.


Código: IA-535
Nome: Tutoria de Monografia em Ensino de Geografia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-535
Nome: Tutoria de Monografia em ensino de Geografia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-528
Nome: Tutória de Monografia em Geografia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: –
Objetivos: –
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –


Código: IA-528
Nome: Tutoria em Monografia de Geografia
Créditos (Carga Horária): 2Cr (30H)
Pré-Requisito(s): –
Ementa: Auxiliar o graduando na confecção de monografia.
Objetivos: Levantamento de fontes de dados e bibliografia, levantamento e utilização de métodos e técnicas de pesquisa sobre o ambiente físico e/ou aplicados em ciências sociais e geografia humana, tendo como parâmetro um estudo de caso e a elaboração de um projeto de pesquisa.
Utilização de métodos e técnicas de pesquisa em geografia: documentação indireta (dados, documentos, mapas, cartas, imagens, imprensa escrita, censos demográficos, econômicos, agrícolas), documentação direta (pesquisa de campo, observação, medições, entrevistas, questionários fechados e abertos) e outras metodologias, tendo por objetivo a redação final da pesquisa monográfica. Trabalho de campo previsto
Programa: –
Bibliografia Básica: –
Bibliografia Complementar: –